Militares brasileiros e paraguaios embarcam para o Haiti

Agência Brasil

RIO - Cento e trinta militares brasileiros, além de integrantes do Exército paraguaio, embarcaram na manhã desta quarta-feira para a capital do Haiti, Porto Príncipe. O Boeing KC-137, da Força Aérea Brasileira (FAB), partiu da Base Aérea do Galeão, no Rio de Janeiro, por volta das 9h levando, ainda, dois médicos brasileiros para reforçar a ajuda humanitária às vítimas do terremoto que atingiu o país da América Central na semana passada.

De acordo com o Comando do Exército, o envio dos militares faz parte do cronograma de rodízios dos integrantes da Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (Minustah). As tropas permanecem no país por um período de seis meses. Depois desse período, são substituídas por um novo contingente. Ainda segundo o Exército, o grupo que deixou o Brasil hoje já havia embarcado rumo ao Haiti no dia do terremoto, mas não conseguiu pousar e precisou retornar.

Na manhã desta quarta, o arcebispo do Rio de Janeiro, dom Orani Tempesta, celebrou missa de sétimo dia em homenagem à médica sanitarista Zilda Arns, fundadora da Pastoral da Criança, que também morreu na tragédia. Durante a cerimônia, também foram lembradas as demais vítimas do terremoto no Haiti.

Os corpos de 17 de militares mortos no terremoto chegaram hoje ao Brasil. A aeronave Hércules C-130 pousou inicialmente na Base Aérea de Manaus, tendo em vista a necessidade de complementação dos trabalhos de medicina legal para conservação dos corpos. O avião deve seguir para Brasília até amanhã, quando será realizada uma cerimônia de homenagem às vítimas.