Aeroportos italianos terão escaneamento corporal em três meses

Agência ANSA

ROMA - Os ministros italianos do Interior, Roberto Maroni, e de Infraestrutura e Transportes, Altero Matteoli, anunciaram que no máximo em três meses serão iniciadas as primeiras experiências com scanner corporal nos aeroportos de Fiumicino (Roma), Malpensa (Milão) e Veneza.

A decisão foi divulgada hoje, ao final de uma reunião que contou com representantes dos dois ministérios, da pasta de Relações Exteriores, da Aeronáutica e da cúpula do Ente Nacional de Aviação Civil (Enac), autoridade responsável pelo setor na Itália.

- A ideia dividida por todo o governo é que antes de outras coisas deve vir a segurança de quem voa. O direito à vida é prioritário a respeito de quaisquer questões - afirmou Maroni, em referência às polêmicas levantadas sobre uma eventual invasão de privacidade provocada pelo escaneamento.

O ministro também disse que atualmente a segurança nos aeroportos italianos foi reforçada e está em seu nível máximo.

A preocupação em relação aos passageiros foi despertada com a recente tentativa do nigeriano Umar Farouk Abdulmutallab de explodir um avião que fazia a rota Amsterdã-Detroit no dia de Natal. O terrorista foi contido antes de causar maiores danos e o braço da Al-Qaeda no Iêmen reivindicou a autoria da ação.

Altero Matteoli complementou as palavras de Maroni ao afirmar que "a segurança é proeminente sobre tudo" e que a iniciativa do escaneamento corporal "é política e taxativa".

- A Itália decidiu comprar estes aparelhos e espero que a decisão, no âmbito europeu, seja unânime - acrescentou o ministro, dizendo que o Enac possui um fundo de dois milhões de euros que será disponibilizado para a aquisição.

De acordo com o presidente da entidade, Vito Riggio, a escolha sobre os modelos a serem comprados será revelada no dia 21, baseada nas investigações de um "comitê experimental de alto nível", grupo interministerial instituído para discutir sobre as garantias de privacidade e saúde.