Vaticano esclarece processo de beatificação de Pio XII

Agência ANSA

VATICANO - A Santa Sé informou nesta quarta-feira, por meio de uma nota, que a beatificação do papa Pio XII não acontecerá junto com a do papa João Paulo II.

"O fato do Decreto das Virtudes dos papas João Paulo II e Pio XII terem sido promulgados no mesmo dia não significa uma junção das duas causas de agora em diante", explicou o documento, assinado pelo porta-voz do Vaticano, padre Federico Lombardi.

No último sábado, o papa Bento XVI firmou diversos decretos, entre eles os que reconhecem as virtudes heróicas dos dois Pontífices, fato que os eleva ao título de "venerável". Para se tornarem beato, ainda é preciso a comprovação de um milagre feito por cada um.

O comunicado é visto como um esclarecimento à comunidade judaica, que acusa Pio XII de se omitir diante do Holocausto no período em que ficou à frente da Igreja Católica, entre os anos 1939 e 1958.

"As duas causas são completamente independentes e cada uma seguirá seu próprio caminho. Não há nenhum motivo para se pensar em uma beatificação conjunta" acrescentou Lombardi.

Desde o final de semana, entidades judaicas e até o governo israelense pediram esclarecimentos à Santa Sé sobre a beatificação de Pio XII. Eles defendem a reabertura dos arquivos do pontificado para analisar qual foi a real postura do Papa durante a perseguição nazista.

Segundo o porta-voz do Vaticano, a assinatura do decreto, penúltima etapa para a beatificação, "não deve ser lida como um ato hostil ao povo hebraico e esperamos que não seja considerada um obstáculo no caminho do diálogo entre o judaísmo e a Igreja Católica".

Além disso, a Santa Sé contou desejar que a visita de Bento XVI à sinagoga de Roma, marcada para o próximo dia 17, "seja uma oportunidade para reafirmar e consolidar com grande cordialidade estes vínculos de amizade e estima".

Tal visita, no entanto, está sendo questionada por parte da comunidade judaica devido ao processo de beatificação de Pio XII. De acordo com o diretor-geral do Rabinato de Israel, Oded Viner, caso o fato realmente ocorra, contará com a presença de uma delegação do Grão-Rabinato israelense.

- Não queremos complicar as relações já complexas entre o Vaticano, o Estado de Israel e a comunidade judaica italiana - garantiu Viner, em entrevista à Rádio Pública. - Nós não intervemos nas decisões da Santa Sé, mas a questão é muito dolorosa para tantos judeus, em particular para os sobreviventes do Holocausto que vivem entre nós.