Irã pede nova reunião em Viena para modificar proposta da ONU

Jornal do Brasil

TEERÃ - O Irã se pronunciou segunda-feira a favor de uma nova reunião internacional em Viena, na sede da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), para continuar discutindo a proposta nuclear preliminar apresentada pela ONU. O enviado iraniano à AIEA disse que Teerã quer maiores garantias de que irá receber o combustível nuclear, importado do exterior, para seu reator em Teerã.

O chefe da diplomacia iraniana, Manuchehr Mottaki, que está em Kuala Lumpur, na Malásia, declarou que o Irã estudou a proposta, mas tinha alguns ajustes técnicos e econômicos a fazer .

Há dois dias, enviamos nossas observações à AIEA, então tudo foi feito para tornar possível a formação de uma comissão técnica para reexaminar e reconsiderar as diferentes questões indicou.

Autoridades iranianas deram a entender que querem mudanças básicas na proposta, que determina que o Irã envie, até o final de 2009, 1.200 de seus 1.500 quilos de urânio levemente enriquecido (em menos de 5%) à Rússia para que o processo seja feito em 19,75%, antes de o material resultante ser mandado à França para a produção de combustível a ser utilizado no reator de pesquisas de Teerã, que opera sob vigilância da AIEA.

A proposta apoiada por Rússia, França e EUA visa a reduzir o estoque iraniano de urânio enriquecido abaixo da quantidade mínima que poderia ser utilizada para a fabricação de uma bomba nuclear.

Segundo o embaixador iraniano Ali Asghar Soltanieh, serão necessárias mais discussões a fim de garantir que nossas preocupações técnicas, e principalmente a questão da garantia de fornecimento de combustível, sejam levadas em consideração .

Estamos prontos para a próxima rodada de discussões técnicas em Viena na sede da AIEA disse Soltanieh, acrescentando que a AIEA agora deveria estabelecer uma data adequada.

Na sexta-feira, foi Soltanieh quem deu a resposta iraniana inicial à AIEA sobre a proposta, depois de negociações em Viena entre 19 e 21 de outubro.

Estamos prontos para comprar o combustível de qualquer fornecedor sob o âmbito de salvaguardas e da vigilância da AIEA disse Soltanieh.

Diplomatas ocidentais afirmaram que o Irã também pediu para receber combustível para o reator de Teerã antes de enviar seu urânio de baixo enriquecimento ao exterior. Eles consideram as exigências iranianas inaceitáveis porque esta alteração na proposta não diminuiria a capacidade do Irã de fabricar uma arma atômica, se quisesse.

Segunda-feira, o chefe da diplomacia britânica, David Miliband, declarou que a Rússia e a Grã-Bretanha queriam uma resposta rápida do Irã. Paris e Washington também afirmaram que a paciência da comunidade internacional tem seus limites .