Polícia paquistanesa abre investigação contra Musharraf

Agência AFP

ISLAMABAD - A polícia paquistanesa anunciou nesta terça-feira a abertura de uma investigação contra o ex-presidente Pervez Musharraf, que pode resultar em sua prisão por ter ordenado, em 2007, a detenção de 60 juízes que eram contrários a seu governo.

Em 3 de novembro de 2007, Musharraf, então presidente do Paquistão, impôs o estado de emergência e destituiu 60 juízes pois temia que o declarassem inelegível por sua condição de militar, nas eleições presidenciais que aconteceriam meses depois.

Musharraf também ordenou a prisão domiciliar dos magistrados. A queixa foi apresentada por um advogado, Aslam Ghuman, por estimar que se tratou de prisões ilegais.

O juiz do distrito de Islamabad, Mohammad Akmal, pediu à polícia que a denúncia fosse registrada e que um processo fosse aberto. Em julho passado, um comitê dirigido pelo presidente da Suprema Corte, Iftjar Muhammad Chaydhry, declarou ilegais as decisões adotadas de Musharraf de destituir e colocar em prisão domiciliar seus opositores.

Musharraf renunciou em agosto de 2008 depois que o governo o ameaçou com um procedimento de destituição. Foi substituído por Asif Ali Zardari, viúvo da ex-primeira-ministra Benazir Bhutto, assassinada em dezembro de 2007 e cujo partido venceu as legislativas de fevereiro de 2008.

Zardari restituiu em março passado em seus cargos o juiz Chaudhry e seus colegas.