Família espera encontrar economista desaparecido no monte Mulanje

Cristine Gerk, Jornal do Brasil

RIO DE JANEIRO - Um helicóptero e um grupo de 60 homens trabalham na busca do brasileiro Gabriel Buchman, desaparecido há 10 dias no monte Mulanje, no Maláui, na África, mas ainda não há pistas do seu paradeiro. O economista de 28 anos fazia uma viagem pelo mundo para estudar a pobreza e encontrar formas de diminuir a desigualdade mundial. A família ainda tem esperanças de encontrá-lo vivo, pois a mochila e o passaporte do brasileiro foram encontrados essa semana.

Amigos e parentes de Gabriel pedem ajuda por meio da internet para conseguir mais um helicóptero que auxilie nas buscas. Eles trabalham com a hipótese de o economista ter se machucado e estar perdido em algum lugar do monte.

Em 1994, um malauiano passou três semanas sozinho no monte, e foi encontrado numa trilha após ter desmaiado de fome. Houve ainda outros casos de resgate lembra a estudante Amanda Buchmann, prima de Gabriel.

O brasileiro foi visto na última vez na sexta-feira (17), quando se preparava para a subida final ao pico Sapitwa. Buchman teria dispensado seu guia na última etapa da subida, entre os 2 mil e os 3 mil metros. Ao ver que o brasileiro não havia retornado ao acampamento no tempo previsto, o guia Lewis Maudzu comunicou seu desaparecimento a outros turistas. De acordo com o site africano Afriquejet, a situação preocupa autoridades locais já que, quando se perdeu, o brasileiro vestia apenas uma camiseta para se proteger do frio e levava biscoitos para comer.

O pico Sapitwa é o maior da África Central. Na língua local, seu nome significa área proibida . Há várias lendas envolvendo o pico nativos acreditam que espíritos capturam as pessoas que subiam ao topo. Em 2003, a enfermeira holandesa Linda Plonk desapareceu no Sapitwa e nunca mais foi encontrada. Na última semana, a região sofreu com fortes chuvas e ventos, o que dificultou as buscas. A família analisa a possibilidade de mandar uma equipe de resgate de fora do país há voluntários ao redor do mundo, mas existem custos operacionais a serem cobertos. No fim de semana, a equipe de busca por terra se reduziu para 20 pessoas. Os malauianos estão cansados e precisam de substitutos.

Ao longo do último ano, Gabriel viajou por dezenas de países na Ásia, Oriente Médio e África, com poucos recursos, a base de carona e com a ajuda de locais.

Sua intenção era conhecer de perto a pobreza, a injustiça dos homens contra a natureza e contra seus semelhantes. Essa seria sua preparação para o doutorado em economia da pobreza, na Universidade da Califórnia conta Amanda.

Na faculdade, Gabriel embarcou num avião do correio aéreo nacional para a Amazônia, onde subiu o pico da neblina e conviveu com as comunidades pobres locais. Passou meses no sertão nordestino, onde fazia questão de ir às cidades mais pobres e se hospedar na casa de pessoas humildes. O Maláui era o último país que iria visitar. Amanhã estaria com viagem marcada de volta ao Rio.

O melhor de tudo é que aqui na África 'to' conseguindo por em pratica a viagem que sempre idealizei... 'to' muito feliz com isso, de conseguir estar realizando uma viagem de profunda imersão no continente africano, absolutamente não turística, e de forma totalmente sustentável, transferindo 80% dos meus gastos pra africanos pobres... e aqui com quase nada 'vc' faz uma substancial diferença na vida das pessoas... esse amigo meu congoles, por exemplo, com 12 dólares paguei o aluguel mensal da casa da família dele, esse menino com 40 dólares garanti um ano escolar pra ele numa escola super legal... , escreveu Gabriel em seu blog no dia primeiro de junho.

Os guias locais têm razoável segurança de que Gabriel não está no pico, nem vivo nem morto, pois a busca foi muito detalhada na região. Os líderes da busca acreditam que o economista esteja perdido, provavelmente na mata, abaixo do monte. A estratégia para a próxima semana é aumentar os esforços nessas áreas mais baixas, de floresta.

ajudegabrielbuchmann.blogspot.com