Ban Ki-moon defende solução pacífica para crise em Honduras

Agência Brasil

BRASÍLIA - O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, manifestou hoje (28) grande preocupação com as tensões políticas e institucional em Honduras e pediu a todas as partes que mantenham a calma.

O presidente hondurenho, Manuel Zelaya, foi sequestrado hoje por militares e levado para a Costa Rica. O sequestro ocorreu horas antes de Honduras iniciar uma consulta pública para reformar a Constituição, o que daria ao presidente a possibilidade de reeleição. A consulta foi considerada ilegal pelo Parlamento e pela Suprema Corte do país.

Ban Ki-moon defendeu que os líderes do país atuem com pleno respeito às leis e instituições democráticas e defendeu a busca do consenso por meio de diálogo pacífico, de acordo com a agência de notícias da ONU.

O secretário-geral desmentiu informações veiculadas por alguns órgãos de imprensa de que a ONU estaria ligada à consulta popular sobre a Constituição hondurenha. Segundo ele, a ONU não tinha previsão de participar como observadora da consulta.