Esposa de Mandela convida ativistas para mediação com as Farc

Agência ANSA

BOGOTÁ - A esposa do líder sul-africano Nelson Mandela, Graca Machel Mandela, e a presidente da Associação das Mães da Praça de Maio, Hebe de Bonafini, estão entre as personalidades que podem fazer parte do grupo de mediadores encarregados de acompanhar a libertação de seis reféns das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

De acordo com a rádio colombiana Caracol, os nomes teriam sido apresentados pela senadora colombiana Piedad Córdoba, que foi autorizada oficialmente pelo governo de Bogotá a mediar a libertação dos seis reféns.

Também fariam parte da lista a prêmio Nobel guatemalteca Rigoberta Menchú e a parlamentar européia Pia Locatelli, presidente da Internacional Socialista Mulheres e que esteve diversas vezes na Colômbia, onde participou recentemente de uma manifestação pela defesa dos direitos civis, segundo lembrou a emissora.

As Farc anunciaram que libertariam em breve os ex-governadores do departamento (estado) de Meta, Alan Jara; de Valle del Cauca, Sigifredo López; três policiais e um militar, cujas identidades não foram divulgadas.

Uma das exigências da guerrilha é que a mediação seja feita por "alguma personalidade democrática" de outro país, "ou da comunidade internacional que possa dar garantias".

De acordo com o presidente da Colômbia, Álvaro Uribe, representantes do Vaticano poderiam ser autorizados a participar da mediação.