Oposicionistas da Bolívia pedem mediação da OEA e da Igreja

REUTERS

LA PAZ - Os governadores oposicionistas da Bolívia pediram que a Igreja Católica e a Organização dos Estados Americanos (OEA) atuem como mediadores a fim de impedir que o governo do presidente Evo Morales ponha em andamento um processo para sancionar definitivamente uma nova Constituição.

A solicitação foi confirmada um dia depois de Morales ter feito um novo convite ao diálogo, acompanhado de ameaças sobre recorrer a decretos presidenciais a fim de acelerar as reformas de cunho socialista que são criticadas pelos governadores da oposição.

Essas reformas, que seriam consolidadas na nova Carta Magna, permanecem bloqueadas desde o início do ano devido aos processos de ampliação da autonomia realizados pelos governadores oposicionistas, em um conflito que, segundo a Igreja e observadores internacionais, colocou em risco a paz e a unidade da Bolívia.

Jornais bolivianos publicaram nesta quarta-feira trechos das cartas enviadas por cinco dos nove governadores do país à OEA e à Conferência Episcopal Boliviana. Nas cartas, os dirigentes requerem a essas entidades que 'facilitem o processo de diálogo e de reconciliação'.