Missão da OEA disse não ter observado nenhuma irregularidade na eleição nos EUA

A entidade explicou que os votos precisam ter sido recebidos "dentro dos parâmetros das regras e regulações existentes nos respectivos estados"

Shawn Thew/Epa
Credit...Shawn Thew/Epa

A Organização dos Estados Americanos (OEA) solicitou em um relatório preliminar nessa sexta-feira (6) que todos os votos válidos da disputa presidencial nos Estados Unidos sejam contados e informou não ter observado "diretamente nenhuma irregularidade grave".

Em um documento, a entidade explicou que os votos precisam ter sido recebidos "dentro dos parâmetros das regras e regulações existentes nos respectivos estados".

A OEA ainda chegou a elogiar todos os "esforços extraordinários" das autoridades americanas em "expandir as opções de votação".

Desde o início da apuração dos votos, a campanha de Donald Trump tem apontado para uma suposta fraude eleitoral e lançou um ataque judicial em vários Estados-chave. Ontem, em um pronunciamento na Casa Branca, o presidente americano disse estar sendo "roubado", principalmente em decorrência dos votos por correio.

"Todos os candidatos devem ter garantido o direito de reclamação e recurso judicial, quando feitos dentro dos parâmetros legais", diz o texto da OEA.

A missão da OEA está nos Estados Unidos desde o dia 3 de janeiro e continuará na nação até janeiro de 2021, quando ocorrerá a leitura dos votos do colégio eleitoral no Congresso. Ao todo, são 28 especialistas originários de 13 países.

No relatório também foi informado que um grupo não partidário concluiu que a votação "está de acordo com padrões democráticos" e observou a integridade dos votos por correio.

A OEA "observou diretamente nenhuma irregularidade grave" e pediu a Trump e Joe Biden que evitem "especulações nocivas", afirmando que é "crítico" que "os candidatos ajam com responsabilidade, apresentando e defendendo demandas legítimas nos tribunais e não especulações infundadas na mídia".(com agência Ansa)