Jornal do Brasil

Internacional

Morre estudante de Hong Kong que sofreu queda durante ação da polícia contra manifestantes

Jornal do Brasil

Um aluno de uma universidade de Hong Kong que caiu de um andar de um edifício-garagem durante protestos pró-democracia no final de semana morreu nesta sexta-feira, a primeira morte de um estudante em meses de manifestações na cidade sob controle chinês e um provável gatilho de novos tumultos.

Chow Tsz-lok, de 22 anos, que estudava na Universidade de Ciência e Tecnologia (UST), morreu em decorrência dos ferimentos que sofreu nas primeiras horas de segunda-feira, quando caiu do terceiro para o segundo andar de um estacionamento durante uma operação de dispersão da polícia.

Macaque in the trees
Cerimônia em homenagem a estudante de Hong Kong que morreu ao sofrer queda durante protesto (Foto: REUTERS/Tyrone Siu)

A morte de Chow, ocorrida no dia da formatura de muitos estudantes, deve despertar revolta contra a polícia, já pressionada por acusações de uso de força excessiva no momento em que a cidade enfrenta sua pior crise política em décadas.

Alunos da UST vandalizaram uma unidade da Starbucks no campus, parte de uma franquia que é vista como pró-Pequim, e esperam-se protestos em todo o território de noite, quando a violência normalmente se intensifica.

"Denunciem a brutalidade policial", escreveram os estudantes na parede de vidro do restaurante.

Muitos manifestantes foram ao hospital nesta semana para rezar por Chow, deixando flores e centenas de mensagens desejando melhoras nas paredes. Estudantes também realizaram eventos em universidades de toda a ex-colônia britânica.

"Ele era uma boa pessoa. Era esportista. Gostava de jogar netball e basquete", disse o colega de UST e amigo Ben, de 25 anos, à Reuters em prantos. "Jogamos netball juntos durante um ano. Espero que ele descanse em paz. Sinto muita saudade dele".

Estudantes e jovens têm estado na linha de frente das centenas de milhares de pessoas que têm ido às ruas desde junho para pedir mais democracia, entre outras exigências, e repudiar o que veem como uma interferência chinesa no polo financeiro asiático.

Os protestos, desencadeados por um projeto de lei de extradição já descartado que teria permitido que pessoas fossem enviadas à China continental para julgamento, se transformaram em clamores mais abrangentes por democracia, tornando-se um dos maiores desafios para o presidente chinês, Xi Jinping, desde que ele assumiu o poder, em 2012.

"Vimos imagens de (uma) ambulância sendo bloqueada por carros da polícia e que paramédicos precisaram andar até o local, o que provocou um atraso de 20 minutos na operação de resgate de nosso estudante", disse o presidente da UST, Wei Shyy, em um comunicado.