Morre presidente da Tunísia, 1º eleito democraticamente no país

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O presidente da Tunísia, Beji Caid Essebsi, morreu nesta quinta-feira (25), aos 92 anos, informou a presidência da República em sua página no Facebook, poucas horas após sua hospitalização.

Primeiro presidente democraticamente eleito em 2014, três anos após a queda de Zine el Abidine ben Ali, ele ajudou a guiar o país do norte da África na transição para a democracia após a revolução de 2011, que deflagrou os levantes da chamada Primavera Árabe. 

Mais velho presidente em exercício do mundo -e o segundo mais velho chefe de Estado depois da rainha Elizabeth 2ª da Inglaterra-, Essebsi morreu faltando poucos meses para o fim do seu mandato presidencial. 

A televisão nacional interrompeu sua programação para transmitir versos do Corão, antes de anunciar a morte -que ocorre no dia em que a Tunísia celebra a proclamação da República em 1957, data geralmente marcada por um discurso do chefe de Estado. 

Veterano político, trabalhou com Habib Burguiba, primeiro presidente da Tunísia, e Zine El Abidine Ben Ali, antes de chegar à presidência em 2014 com a paradoxal missão de consolidar a jovem democracia.

Ele foi hospitalizado na quarta-feira (24) para tratamento intensivo no hospital militar de Túnis, segundo seu filho Hafedh Caid Essebsi, também líder do partido no poder Nidaa Tunes.

A Tunísia é o único país que viveu a Primavera Árabe a continuar no caminho da democratização. Após o levante de 2011, ganhou uma nova constituição, eleições livres e um governo de coalizão entre laicos e islâmicos moderados.