Dalai-lama faz comentários machistas e xenófobos a TV britânica

SÃO PAULO , SP (FOLHAPRESS) - O dalai-lama, líder espiritual tibetano, fez uma série de comentários polêmicos em uma entrevista ao canal britânico BBC divulgada nesta quinta-feira (27).

Ele afirmou que o presidente americano, Donald Trump, não tem "princípio moral", que era melhor "manter a Europa para europeus" e que, caso seu sucessor fosse uma mulher, ela deveria ser mais atraente que ele.

"Se uma dalai-lama mulher fosse [faz uma careta], acho que as pessoas prefeririam não olhar para ela", disse.

Quando perguntado se ele achava que o interior de uma pessoa era mais importante do que a aparência, ele respondeu: "Penso que ambos [são importantes]". 

O dalai-lama também afirmou que era favorável à permanência do Reino Unido na União Europeia, se dizendo um "admirador do espírito" do bloco. 

A entrevistadora Rajini Vaidyanathan perguntou o que ele pensa sobre o fato de uma frase sua sobre migração ter sido usada pelos apoiadores do brexit durante a campanha do plebiscito de 2016.

O dalai-lama havia dito que "o objetivo deveria ser que os imigrantes retornem a seus países e ajudem a reconstruí-los. Você precisa ser prático. É impossível que todos venham".

Nesta quinta, ele manteve sua posição e respondeu que os Estados europeus deveriam aceitar os refugiados e lhes dar educação, com o objetivo de que eles voltem para os países de origem.

Perguntado se eles deveriam ser autorizados a permanecer na Europa, caso desejassem, ele disse: "um número limitado, ok".

"A Europa inteira se tornar um país muçulmano? Impossível. Ou um país africano? Também impossível", diz ele, que em seguida ri. 

"Não tem nada de errado com isso, ou tem? Você mesmo é um refugiado", diz Vaidyanathan. O dalai-lama vive na Índia desde 1959.

"Acho que eles ficam melhor na terra deles. Deixa a Europa para os europeus."