Jornal do Brasil

Internacional

Bolsonaro terá agenda esvaziada no Texas

Jornal do Brasil

Às 18h35 do dia 8 de maio, convidados do jantar de gala que homenagearia Jair Bolsonaro em Nova York receberam um email com o aviso de três cancelamentos.

Assinada pela Câmara de Comércio Brasil-EUA, a mensagem dizia que um café da manhã, um almoço e uma palestra no meio da tarde da segunda (13) não aconteceriam mais.

O motivo era simples: o presidente brasileiro e o ministro Paulo Guedes (Economia), protagonistas desses encontros, não estariam em Nova York.

Cinco dias antes, o Planalto havia anunciado que Bolsonaro desistira da viagem após pressão de ativistas e políticos nos EUA, inclusive o prefeito nova-iorquino, o democrata Bill de Blasio.

Menos de 24 horas depois do primeiro email, novo recado aos convidados. "Por favor, desconsiderem a mensagem anterior sobre o cancelamento do almoço promovido pelo Bank of America no dia 13 de maio. Ele ainda está agendado para o meio-dia".

Outro lembrete: o jantar que celebraria o prêmio "Pessoa do Ano" também seguia marcado para esta terça (14) em Nova York, apesar de o homenageado estar articulando uma viagem a pelo menos três horas de avião dali.

Desde a semana passada, o Itamaraty tenta fechar às pressas uma agenda no Texas, estado historicamente conservador, para que o presidente possa se encontrar com empresários e políticos livre de protestos – no entanto, grupos ligados às causas LGBT, mulheres e negros organizam manifestações contra ele em Dallas, seu novo destino.

Bolsonaro queria mostrar que tem respaldo nos EUA, mas a desorganização do governo e do evento –e a ausência do presidente e de seu superministro em Nova York– acabou irritando investidores e aliados americanos.

Eles haviam gastado entre US$ 1.500 e US$ 2.500 (cerca de R$ 6.000 a R$ 10 mil) nos ingressos para o jantar de gala e esperavam ouvir o discurso liberal de Guedes nos eventos que ocorrem durante a semana da premiação.

Agora, quem quisesse encontrá-los teria que ir a Dallas para um almoço promovido pelo World Affairs Councils, na quinta (16), único evento público confirmado oficialmente até as vésperas da chegada do presidente.

O Itamaraty também tentou que Bolsonaro se encontrasse com o senador republicano Ted Cruz e o ex-presidente George W. Bush, mas só a segunda reunião estava na agenda antes do embarque da comitiva.
Bush foi contemporâneo do ex-presidente Lula na Presidência e tinha boa relação com o petista. O ex-presidente dos EUA é hoje, no Partido Republicano, um dos nomes mais críticos ao presidente Donald Trump, com quem Bolsonaro quer manter um alinhamento automático em diversas áreas.

Enquanto não viam uma agenda concreta ser desenhada em Dallas, muitos empresários desistiram de ir ao jantar de gala em Nova York –e nem pensaram em viajar ao Texas.

Na cidade para palestras e encontros com investidores, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) recebeu de três empresários diferentes convite para jantar nesta terça.

Fizeram o deputado rever sua presença no jantar de gala. Dois dias antes, Maia cancelou sua participação.

Enquanto a presença da comitiva brasileira derretia, a embaixada do Brasil nos EUA agia para tentar levar nomes relevantes, pelo menos do lado americano, para Nova York.

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, que seria homenageado ao lado de Bolsonaro, era outra ausência garantida.

Os diplomatas tentaram que o ex-prefeito de Nova York Rudolph Giuliani fosse à festa. Ele alegou que estava em viagem e não conseguiria atender ao pedido de última hora.

Bolsonaro chega na quarta (15) a Dallas para uma agenda de um dia, acompanhado por Guedes, Ernesto Araújo (Itamaraty), Bento Albuquerque (Minas e Energia), Santos Cruz (Secretaria de Governo) e Heleno Augusto (GSI).

O governador de São Paulo, João Doria, encontrará o presidente já no Texas. Com pretensões de disputar o Planalto em 2022, Doria tentou assumir o protagonismo nos eventos de Nova York.