Pompeo diz à Rússia: Não interfiram com as próximas eleições presidenciais dos EUA

O Secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, disse à Rússia nesta terça-feira que Washington não irá tolerar interferências nas eleições presidenciais de 2020 e pediu que Moscou tomasse medidas ainda não especificadas para mostrar que não haverá uma repetição das supostas interferências de 2016.

O presidente russo, Vladimir Putin, que se encontrou com Pompeo no balneário de Sochi rebateu a acusação, dizendo que a Rússia nunca havia interferido nas eleições dos Estados Unidos e que o relatório do procurador especial Robert Mueller, que classificou como "de maneira geral objetivo" não havia encontrado evidências de conspiração.

Macaque in the trees
Secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo (Foto: Sputnik/Alexei Druzhinin/Kremlin via REUTERS)

Agora que o relatório de Mueller era passado, algo que há muito colocava um manto sobre as relações entre EUA e Rússia, Putin disse que esperava que os laços começassem a melhorar.

"Eu fiquei com a impressão de que o seu presidente quer consertar os laços e contatos entre Estados Unidos e Rússia e quer resolver questões que são de interesse comum para nós", disse Putin a Pompeo.

Em sua primeira visita à Rússia como secretário de Estado, Pompeo primeiramente confrontou o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, em questões como Ucrânia e Venezuela. Depois de seu encontro, ambos disseram que estavam distantes em muitas questões.

"Eu deixei claro para o ministro das Relações Exteriores Lavrov... que a interferência nas eleições americanas é inaceitável. Se os russos estivessem envolvidos com isso em 2020, isso colocaria nossa relação em um lugar ainda pior do que ela já esteve", disse Pompeo. "Eu pediria a eles que não fizessem isso. Nós não toleraríamos isso".