Espanhol que ajudou em eutanásia da mulher é libertado

A prisão e posterior libertação, nesta quinta-feira (4), em Madri, de um espanhol que ajudou na morte de sua esposa, sofrendo de esclerose múltipla por 30 anos, relançou o debate sobre a eutanásia no país.

"O juiz o libertou sem medidas cautelares", disse uma fonte judicial.

A fonte acrescentou que "a investigação continua, por um crime de cooperação no suicídio", mas que o juiz não viu motivo para "permanecer na prisão provisória".

"O marido da falecida foi preso ontem", quarta-feira, em um bairro de Madri, disse à AFP um porta-voz da polícia nacional.

Mais cedo, um porta-voz da polícia nacional disse à AFP que o marido "declarou que sua esposa estava em estado terminal, e que ela havia lhe fornecido uma substância para provocar sua morte" e que ela "não sofreu".

Em uma transmissão de vídeo na mídia espanhola e gravada na terça e quarta-feira, o homem é visto conversando com a mulher, que responde afirmativamente à pergunta do marido sobre se ele quer dar fim à sua vida. Ele acabou dando-lhe sódio pentobarbical.

Em uma entrevista transmitida no ano passado no canal La Sexta, o homem, Ángel Fernández, explicou que sua esposa, sexagenária, ficou doente por esclerose múltipla por três décadas e quis "morrer com dignidade".