Europeus se esqueceram de quando eram migrantes, lamenta Papa

Entrevista foi dada para rede de televisão espanhola

O papa Francisco lamentou a atitude da Europa em relação aos migrantes e, em uma entrevista divulgada neste domingo, criticou que tenham se esquecido de quando seus cidadãos migraram para a América fugindo da Segunda Guerra Mundial.{'nm_midia_inter_thumb1':'https://midias.jb.com.br/_midias/jpg/2018/09/19/97x70/1_papa_01-31466.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5ba29fba08091', 'cd_midia':31473, 'ds_midia_link': 'https://midias.jb.com.br/_midias/jpg/2018/09/19/627x418/1_papa_01-31466.jpg', 'ds_midia': 'Papa Francisco
', 'ds_midia_credi': ' AFP PHOTO / VINCENZO PINTO', 'ds_midia_titlo': 'Papa Francisco
', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '627', 'cd_midia_h': '418', 'align': 'Left'}

"A mãe Europa se tornou avó demais, envelheceu de repente", lamentou o pontífice argentino em uma entrevista ao programa Salvados, da rede espanhola La Sexta, transmitida neste domingo.

"Para mim, o maior problema da Europa é que se esqueceu de quando, depois da guerra, seus filhos iam bater nas portas da América", continuou o Papa.

Francisco, que durante seu mandato se pronunciou frequentemente em favor dos refugiados e dos migrantes, disse sentir "muita dor" ante os milhares de migrantes mortos no Mediterrâneo e não compreender "a injustiça de quem fecha a porta para eles".

Também lançou uma advertência aos que, como o presidente americano Donald Trump, propõem construir muros para deter o fluxo de migrantes.

"Quem levanta um muro termina prisioneiro do muro que levantou, isso é lei universal, se dá na ordem social e na ordem pessoal (...) As alternativas são as pontes, construir pontes", afirmou.

Emitida neste domingo em horário de máxima audiência na Espanha, a entrevista ao pontífice foi gravada na sexta-feira, 22 de março.

dbh/pmr/mb/db