Dois filhos foragidos de El Chapo são acusados de narcotráfico nos EUA

Dois filhos do ex-líder do cartel de Sinaloa, Joaquín "Chapo" Guzmán, fugitivos no México, foram indiciados pela justiça norte-americana por tráfico de drogas, informou o Departamento de Justiça na quinta-feira (21).

Joaquín Guzmán López, 34 anos, conhecido como "el Güero", "Moreno" ou "Güero Moreno" e Ovídio Guzmán López, 28, conhecido como "el Ratón" ou "Ratón Nuevo", foram acusados há um ano por um único crime: conspiração para traficar cocaína, metanfetaminas e maconha do México e de outros países para os Estados Unidos entre 2008 e 2018.

A acusação só foi divulgada nesta quinta-feira para não comprometer a investigação e proteger as testemunhas que colaboraram.

O crime é punido com pena mínima de 20 anos de prisão e pena máxima de prisão perpétua.

Chapo Guzmán foi considerado culpado por traficar mais de 130 toneladas de drogas para os EUA por um júri de Nova York em 12 de fevereiro, e pode ser condenado à prisão perpétua. Ele será sentenciado em 25 de junho pelo juiz Brian Cogan.

Outro filho de Chapo, Jesus Alfredo Guzmán Salazar, conhecido como "Alfredillo", foi acusado de vários crimes de drogas nos Estados Unidos em 2014 e está incluído na lista dos 10 fugitivos mais procurados da agência antidrogas dos EUA, a DEA.

Um irmão de Alfredillo, Iván Archivaldo Guzmán Salazar, também foi implicado no narcotráfico pelas autoridades mexicanas.

Outro dos fugitivos mais procurados do DEA é Ismael "Mayo" Zambada, co-fundador do cartel de Sinaloa e co-acusado no indiciamento do governo dos EUA contra Chapo. Mayo não passou um único dia de seus 70 anos na prisão e continua sendo um fugitivo, possivelmente nas montanhas de Sinaloa.

 

 

lbc/lp/cc