Itália prende suspeito de planejar atentado contra Vaticano

As autoridades italianas prenderam um jovem somali de 20 anos suspeito de ligação com o Estado Islâmico (EI) e de planejar atentados terroristas contra a Basílica de São Pedro, no Vaticano, durante as celebrações de Natal.


A prisão, de caráter preventivo, ocorreu em 13 de dezembro, em Bari, mas os detalhes só foram divulgados nesta segunda-feira (17). O suspeito se chama Mohsin Ibrahim Omar e também era conhecido pelo apelido de "Anas Khalil". Os serviços de segurança e de inteligência na Itália recolheram indícios de que ele seria filiado ao Estado Islâmico (EI) na Somália. Entre as provas, estariam mensagens e telefonemas.
No interrogatório na prisão, o jovem foi questionado sobre as mensagens de "matar os cristãos". "Se Deus deseja, se ajuda em nossa causa, precisa fazer isso", respondeu às autoridades italianas.


Uma das frases interceptadas pelos agentes italianos mostra Mohsin Ibrahim Omar também dizendo que iria "colocar bombas em todas as igrejas da Itália". "Onde está a maior igreja? Está em Roma", afirmou o jovem somali, que fizera download de várias imagens do Vaticano e chamara a atenção dos agentes. "A urgência de executar a prisão preventiva se dá após ele fazer referências à elaboração de possíveis atos hostis por ocasião das festividades natalinas", informaram as autoridades italianas. De acordo com a reconstrução da polícia, o jovem começou a planejar o ataque no dia 1 de dezembro. No dia 2, ele teria feito análises de meios de transporte entre Bari e Roma.


A investigação na Itália se intensificou após o atentado contra um mercado de Natal em Estrasburgo, na França, no dia (11), quando um homem abriu fogo e matou 5 pessoas.