Jornal do Brasil

Internacional

Macron presta homenagem às vítimas do ataque em Estrasburgo

Jornal do Brasil

Três dias depois do atentado contra a feira de Natal de Estrasburgo, o presidente francês, Emmanuel Macron, foi à cidade na sexta-feira (14) para lamentar o ataque jihadista que deixou quatro mortos e mais de uma dúzia de feridos.

Emmanuel Macron chegou às 19:00 na Kléber Square, o coração do centro histórico, onde colocou uma rosa branca em frente ao memorial improvisado em homenagem às vítimas, antes de passear pelo centro, onde havia uma atmosfera de comoção e calma.

Macron depois caminhou entre as barracas de madeira da feira de Natal, que permaneciam fechadas desde o ataque na terça-feira.

"Toda a nação está perto do povo de Estrasburgo, é o que eu queria dizer a vocês esta noite", declarou aos repórteres.

No final da visita, foi a um centro de acolhida para as famílias das vítimas, onde se reuniu com parentes de um cidadão local morto por Chérif Chekatt, autor do ataque.

Estrasburgo retornava, nesta sexta-feira, à "vida normal", com a reabertura do seu famoso mercado de Natal, depois que a polícia abateu, na quinta-feira à noite, Chérif Chekatt.

"Espero que as pessoas voltem, e não tenham medo", disse à AFP Jean-Louis Hubert, um vendedor de gorros de Natal que estava "feliz" de poder reabrir suas portas a dez dias das festas de final de ano.

A morte de Chekatt é um alívio para os moradores e muitos turistas. "Isso facilitará o retorno à vida normal", declarou o prefeito de Estrasburgo, Roland Ries.

O número de mortos subiu na sexta-feira para quatro, com a morte de um dos feridos que estava em estado crítico, o jornalista italiano Antonio Megalazzi.

Uma vítima está em estado de morte cerebral e outras onze estão feridas, alguns gravemente.

 

Sinal de um retorno a uma situação de segurança menos tensa, o plano nacional de combate ao terrorismo (Vigipirate) foi reduzido na sexta à noite para o nível de "risco de ataque", depois de ter sido localizado em seu nível mais alto ", ataque de emergência ", depois do ataque.

Chérif Chekatt, de 29 anos e supostamente radicalizado, foi localizado na quinta-feira por volta das 21H00 quando uma patrulha policial o viu em uma rua do bairro de Neudorf, onde havia sido visto pela última vez.

A polícia recebeu cerca de 800 ligações depois que o nome e a foto do agressor foram divulgados, na quarta-feira.

Duas chamadas foram "decisivas" para encontrá-lo, disse o promotor Remy Heitz.

Quando três agentes que patrulhavam a área o localizaram, Chekatt tentou escapar entrando em um prédio. Mas ao perceber que a porta estava fechada, se virou e atirou nos policiais, que reagiram, explicou o promotor em uma entrevista coletiva em Estrasburgo.

Duas pessoas foram detidas na quinta-feira à noite para interrogatório, elevando a sete o número de detenções, incluindo os pais de Chekatt e seus dois irmãos.

"A investigação vai continuar para identificar eventuais cúmplices o coautores", ressaltou o promotor.

Segundo o ministério das Relações Exteriores da Itália, trata-se do jornalista italiano Antonio Megalizzi, de 28 anos.

Nesta sexta, o ministro francês do Interior, Christophe Castaner, afirmou que a reivindicação do atentado no mercado de Natal de Estrasburgo pelo grupo extremista Estado Islâmico foi "totalmente oportunista".

"A reivindicação totalmente oportunista do Daesh (acrônimo árabe do EI) não muda nada", declarou Castaner.

A agência de propaganda do grupo extremista, Amaq, declarou na quinta que Chekatt era um "soldado do Estado Islâmico". Mas para o ministro, o atirador era um homem "consumido pelo mal".

Ainda não se sabe como Chekatt foi capaz de escapar ao estrito perímetro de segurança estabelecido em torno do mercado natalino.

Cerca de 500 policiais, agentes de segurança e soldados controlam o acesso nas pontes que levam ao centro histórico, onde o mercado está localizado.

No entanto, muitos moradores não ficaram surpresos com o fato de que Chekatt conseguiu passar pelos controles com uma arma e uma faca.

"Você pode esconder uma arma sob um casaco grosso ou no fundo da bolsa", disse Emeline, 38 anos, que trabalha no centro da cidade.

O vice-prefeito de Estrasburgo, Alain Fontanel, admitiu que "os riscos podem ser reduzidos, mas não eliminados".

"Nós não podemos revistar todo mundo, apenas realizar verificações aleatórias", disse, acrescentando que as grandes filas nos pontos de controle só criariam um novo alvo potencial para os terroristas.

A França está em alerta terrorista desde o início de uma onda de ataques jihadistas em 2015.

burs-grd-maj/meb/pb/mr/db/ap