Jornal do Brasil

Internacional

Primeira-ministra britânica vai conversar com líderes da UE em Bruxelas

Jornal do Brasil

A primeira-ministra britânica, Theresa May, conversará nesta terça-feira à noite em Bruxelas com os presidentes do Conselho Europeu, Donald Tusk, e da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, que pretende ressaltar que "não há margem para renegociação".

"Vou falar com a senhora May esta noite e direi, como disse ao Parlamento antes, que o acordo que alcançamos é o melhor acordo possível, é o único possível", afirmou Juncker aos eurodeputados reunidos em Estrasburgo (França).

Em um esforço para salvar um acordo do Brexit condenado ao fracasso, a 'premier' decidiu na segunda-feira adiar a votação crucial do Parlamento britânico e iniciar uma rodada de visitas aos sócios europeus, que nesta terça-feira a levará a Haia, Berlim e Bruxelas.

O presidente da Comissão, instituição que negocia em nome da UE, já advertiu, no entanto, que "não há margem para renegociação".

"Mas certamente há margem suficiente, com inteligência, para mais esclarecimentos, mais explicações sobre a interpretação", disse.

O objetivo de May é expressar as "preocupações" dos deputados britânicos, especialmente com o "backstop", um mecanismo criado para evitar o retorno de uma fronteira para bens na ilha da Irlanda.

Os defensores do Brexit temem que o Reino Unido fique permanentemente atrelado às redes europeias pressionam para que May renegocie o "backstop" na reunião de cúpula europeia de quinta-feira e sexta-feira em Bruxelas, na qual o Brexit não estava na agenda até segunda-feira.

Juncker destacou a determinação da UE de fazer todo o possível para chegar à situação em que é necessário utilizar o "backstop", apesar de ter defendido que era "necessário", sobretudo para a Irlanda.

"Nunca vamos deixar a Irlanda para trás", declarou.

May deve se reunir com o presidente do Conselho Europeu, que convocou na segunda-feira uma reunião de cúpula sobre o Brexit para a próxima quinta-feira para abordar também os preparativos de uma eventual saída do Reino Unido sem acordo em 29 de março.

 

tjc/zm/fp