Jornal do Brasil

Internacional

Ex-presidente George H.W. Bush é enterrado no Texas após homenagens

Jornal do Brasil

Os americanos deram o seu último adeus ao seu 41° presidente, George H.W. Bush, que será enterrado nesta quinta-feira (6) no Texas depois de quatro dias de homenagens, nos quais mostraram uma incomum imagem de unidade em um país dividido.

Depois do funeral de Estado na quarta-feira em Washington, que contou com a presença do presidente americano, Donald Trump, de quatro ex-presidentes do país e dignatários estrangeiros, o caixão de Bush coberto pela bandeira americana foi levado para Houston, no Texas.

Os restos mortais do ex-presidente (1989-1993) permaneceram na Igreja Episcopal de St. Martin, da qual os Bush são fiéis assíduos, antes de ser sepultado atrás da biblioteca e museu que leva seu nome na Universidade do Texas A&M.

No início da cerimônia, o coral da igreja cantou "This is my country", hino patriótico americano da década de 1940, que também foi interpretado no dia em que Bush pai assumiu a presidência.

Quatro de suas netas leram o salmo 23 e o ex-secretário de Estado americano James Baker, de 88 anos, recordou detalhes de sua personalidade e as conquistas de sua presidência.

"Ele era um líder e sabia disso", afirmou Baker, que relatou com humor suas discussões e começou a chorar no final do discurso.

O ex-presidente será enterrado junto a sua esposa Barbara, que faleceu em abril, e de sua filha Robin, que morreu de leucemia aos três anos.

 

O quarteto de música Oak Ridge Boys representou o gosto do ex-presidente americano pela música country e interpretou à capela o hino "Amazing Grace".

Na cerimônia de quarta-feira, Trump e a primeira-dama, Melania, dividiram um banco na primeira fila da Catedral Nacional de Washington com os ex-presidentes Barack Obama, Bill Clinton, Jimmy Carter e suas esposas.

Uma guarda de honra levou o caixão de Bush à sala de oração.

Seu filho, o ex-presidente George W. Bush (2001-2009), tocou o caixão duas vezes quando se aproximou para pronunciar um discurso cheio de elogios e humor, durante o qual sua voz ficou embargada, chegando a chorar, ao recordar piadas e ensinamentos de seu pai, que morreu na sexta-feira passada aos 94 anos.

"Me mostrou o que significa ser um presidente que serve com integridade, lidera com coragem e atua com amor em seu coração em prol dos cidadãos do nosso país", disse.

A cerimônia de quarta-feira coroou uma homenagem no Capitólio dos Estados Unidos, onde milhares de pessoas foram para se despedir de um estadista que dirigiu a nação em tempos turbulentos, incluindo o final da Guerra Fria e a invasão ao Panamá em 1989.

 

Desde a morte de Bush, Trump mudou a sua habitual postura provocadora para uma de solenidade, tuitando antes do serviço sobre "um dia de celebração para um grande homem que levou uma vida longa e distinta".

"Sentiremos saudades!", escreveu o presidente.

No funeral, o presidente e seus antecessores democratas se viram forçados a uma trégua incômoda.

Trump chegou e apertou a mão de Obama e a da ex-primeira-dama Michelle Obama.

Mas seus cumprimentos pararam por ali e sua linguagem corporal mudou radicalmente quando ficou diante de Hillary Clinton, a candidata democrata que derrotou em 2016.

Clinton olhou para a frente e não fizeram contato visual.

Foi um grande contraste com a chegada de Bush filho ao templo, que apertou a mão de Trump e dos ex-presidente e suas esposas. Inclusive em meio ao seu luto, fez um gesto com Michelle Obama e lhe ofereceu uma bala, como havia feito durante a cerimônia comemorativa do senador John McCain na mesma catedral em setembro.

Os sinos badalavam enquanto o caixão era levado para fora da igreja, diante dos olhos de dignitários, incluindo o príncipe Charles da Inglaterra, a chanceler alemã Angela Merkel, o ex-presidente polonês Lech Walesa e vários ex-vice-presidentes americanos.

Bush, que lutou na Segunda Guerra Mundial, foi condecorado como aviador depois que esteve prestes a morrer quando foi derrubado em uma missão.

Trabalhou como congressista, enviado para a China, diretor da Agência Central de Inteligência e vice-presidente de Ronald Reagan antes de chegar à Casa Branca.

A ascensão de Trump ao topo do Partido Republicano passou por duros ataques contra os Bush, em particular criticando a invasão do Iraque pelo filho ex-presidente em 2003 e zombando do candidato Jeb Bush durante as primárias republicanas.

Bush, por sua vez, chamou Trump de "fanfarrão" e revelou que não votou nele.

mlm/wd/ia/amz/rbv/ll-an/lb/cb