Holanda: culto para impedir deportação

Um culto que não para nunca, 24 horas por dia, pode ser considerado insuportável para muitos. Mas uma igreja em Haia, na Holanda, está fazendo isso desde 26 de outubro por questões humanitárias: impedir a deportação de uma família de imigrantes armênios, formada pelo casal Sasun e Anousche Tamrazyan e seus três filhos. Segundo a lei do país, agentes da polícias não podem entrar em espaços de culto durante os serviços religiosos.

Com ajuda da comunidade e dos fiéis, que se reúnem para rezar no templo, 300 pastores de todo o país se revezam para comandar o culto na igreja protestante Betel.

A família da Armênia vive na Holanda há nove anos, mas até hoje não conseguiu regularizar sua situação no país. O casal buscou refúgio alegando que são perseguidos em sua nação de origem devido a sua atividade política. Eles chegaram a conseguir asilo legal após alguns anos em Haia, mas o governo recorreu da decisão da decisão da Justiça e venceu.

Após perderem o direito a permenacer na Holanda, a família buscou abrigo em uma igreja, mas o local era muito pequeno para os cinco. Foi aí que eles descobriram o templo onde se encontram no momento.

O objetivo dos armênios é resolver sua situação legal, com ajuda de advogados, enquanto o culto se desenrola. A celebração bateu o recorde mundial de culto mais longo.

“Dando hospitalidade a essa família, podemos dar tempo e espaço para demonstrar ao secretariado de Estado a importância da situação”, disse o presidente do Conselho Geral de Ministros Protestantes, Theo Hettema. O líder critica o que chama de prática de apelar de decisões de asilo do atual governo, o que teria o objetivo de restringir a imigração para a Holanda.