Jornal do Brasil

Internacional

Mais de 140 baleias morrem encalhadas na Nova Zelândia

País registra por volta de 85 casos do tipo por ano

Jornal do Brasil

Mais de 140 baleias-piloto morreram encalhadas no último fim de semana em uma praia da Nova Zelândia. Os cetáceos eram do gênero Globicephala e chegam a medir 8,5 metros de comprimento.

O Departamento de Conservação foi alertado sobre o encalhe no sábado (24) à noite, quando metade das baleias já estavam mortas, informou o diretor de operações do órgão, Ren Leppens.

"Infelizmente, a probabilidade de garantir que as baleias restantes voltassem ao mar com sucesso era extremamente baixa. A localidade remota, a falta de pessoal disponível e as condições dos cetáceos fizeram com que o tratamento mais humano fosse a eutanásia", lamentou, acrescentando que foi uma "decisão angustiante".

Também no fim de semana, 10 baleias-pigmeias foram encontradas encalhadas em outra praia da Nova Zelândia, e a ONG marítima Project Jonah atua nesta terça-feira (27) com a ajuda de voluntários para tentar salvar os animais. A bióloga marinha Sabina Airoldi explicou que existe um forte senso de bando entre as baleias-piloto, que estaria por trás do encalhe dos mais de 140 exemplares. "Quando o chefe do grupo perde orientação, os outros membros o seguem", contou.

"A baleia-piloto vive em bandos grandes, entre 40 e 400 indivíduos, guiados por alguns exemplares de referência que em geral são as fêmeas mais velhas. É uma espécie na qual a ligação social é particularmente forte", explicou.

Segundo Airoldi, o homem também pode contribuir com o encalhe de baleias. "Sons fortes, como de radares militares ou de explosões para pesquisas petrolíferas, podem atordoar os cetáceos ou lesionar seus órgãos internos" afirmou. "Assim eles perdem a orientação, e a corrente os puxa para a praia", concluiu.

Segundo o Departamento de Conservação, ocorrem nas costas neozelandesas por volta de 85 encalhes por ano, mas na maioria dos casos com somente um animal por incidente.