Jornal do Brasil

Internacional

Macron defende UE mais 'ambiciosa' e 'soberana'

O presidente da França discursou no Parlamento da Alemanha

Jornal do Brasil

Em discurso no Parlamento da Alemanha, o presidente da França, Emmanuel Macron, defendeu neste domingo (18) uma União Europeia "aberta e ambiciosa" e afirmou que o bloco deve reforçar sua "soberania" para enfrentar os novos desafios.
No pronunciamento, realizado por ocasião dos 100 anos do fim da Primeira Guerra Mundial, Macron ressaltou que a UE precisa abrir "um novo capítulo".
"A União Europeia não foi pensada para desafios como a digitalização, a inteligência artificial, a mudança climática, a imigração. Devemos realçar nossos valores europeus e reforçar a soberania europeia", disse.
Com a perspectiva de aposentadoria da chanceler alemã, Angela Merkel, o presidente da França vem tentando se colocar como principal contraponto à deriva nacionalista verificada em muitos países europeus, mas convive com baixos índices de popularidade dentro de sua nação.
Recentemente, ele propôs a criação de um Exército da UE, ideia que revoltou o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.
"Nossa verdadeira força é a união, o que não significa unanimidade. Devemos aceitar que hajam ritmos diferentes nos projetos, Schengen, o euro... Mas tudo deve ser feito no interesse de uma Europa unida. Há muitas potências que tentam nos dividir, que tentam atacar nossa democracia", acrescentou.
Segundo Macron, a Europa tem a "tarefa" de recolocar o mundo no "caminho da paz". "Para isso, precisa ser mais forte, aumentar a própria soberania, porque não poderá crescer caso se torne um brinquedo das grandes potências, se não assumir a responsabilidade pela própria segurança", afirmou.
O discurso já carrega o tom de campanha para as eleições europeias de maio de 2019, que renovarão o Parlamento da UE e podem dar aos partidos eurocéticos uma presença inédita em Bruxelas. A frente nacionalista será liderada pelo ministro do Interior da Itália, Matteo Salvini, e pela deputada francesa Marine Le Pen, derrotada por Macron na corrida presidencial de 2017.