Jornal do Brasil

Internacional

Procurador-geral saudita viajará a Istambul por caso de jornalista morto

Jornal do Brasil

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, anunciou nesta sexta-feira que o procurador-geral saudita viajará no domingo a Istambul para a investigação sobre o assassinato do jornalista Jamal Khashoggi e afirmou ter mais provas relacionadas ao crime.

O anúncio de Erdogan aconteceu depois que o procurador-geral saudita, Saud bin Abdallah al-Muajab, com base em informações proporcionadas pela Turquia, destacou na quinta-feira pela primeira vez o caráter "premeditado" do assassinato.

"No domingo, eles (os sauditas) enviarão o procurador-geral à Turquia. Este se reunirá com nosso procurador-geral da República em Istambul (Irfan Fidan)", declarou Erdogan durante um discurso em Ancara.

O presidente também afirmou que as autoridades turcas têm "outros elementos" de prova sobre o assassinato cometido em 2 de outubro por agentes de Riad no consulado saudita em Istambul.

"Não é como se não tivéssemos outros elementos ou documentos. Nós temos. Amanhã é outro dia. A precipitação não serve para nada", disse Erdogan.

Que Jamal Khashoggi "foi assassinado é um fato. Mas onde está? Onde está o corpo?", questionou o chefe de Estado turco.

"Quem deu a ordem? As autoridades (sauditas) devem explicar", completou.

Erdogan afirmou que a Turquia compartilhou as "provas" com outros países, entre eles a Arábia Saudita.

 

Sobre a evolução do caso, Erdogan criticou a reação inicial de Riad, que negou o assassinato de Khashoggi e afirmou que o jornalista havia saído vivo do consulado.

"Estas declarações eram realmente ridículas. Eram declarações pueris, incompatíveis com a seriedade de um Estado", completou o presidente turco.

O chefe da diplomacia turca, Mevlut Cavusoglu, conversou nesta sexta-feira por telefone sober a investigação com o chanceler saudita Adel al-Jubeir.

Jamal Khashoggi, jornalista crítico do regime de Riad, foi assassinado em 2 de outubro no consulado da Arábia Saudita em Istambul. De acordo com autoridades turcas, ele foi vítima de um assassinato premeditado e executado por agentes de Riad.

Depois de negar a morte do jornalista e diante da pressão internacional, as autoridades sauditas apresentaram diversas versões. Primeiro mencionaram uma "briga" que terminou mal e depois uma operação "não autorizada" e da qual o príncipe herdeiro Mohamed bin Salman "não havia sido informado".

No total, 18 suspeitos, todos sauditas, foram detidos na Arábia Saudita e vários altos funcionários do serviço de inteligência foram demitidos.

"Quem deu a ordem? Quem deu a ordem para que estes suspeitos viessem à Turquia?", questionou Erdogan.

"Se não conseguem convencê-los a falar, então nos entreguem, deixem que nós o julguemos", acrescentou.

 

A imprensa e fontes turcas que pediram anonimato atribuíram ao príncipe herdeiro Mohamed bin Salman uma participação pessoal no assassinato. Mas Erdogan não citou nomes. Os dois governantes conversaram por telefone na quarta-feira pela primeira vez desde a morte do jornalista.

Na quarta-feira, Bin Salman chamou o assassinato do jornalista de "incidente repulsivo" e "doloroso", um caso que provocou indignação internacional e abalou a imagem do reino, maior exportador mundial de petróleo.

De acordo com o canal CNN, Salah, filho do jornalista assassinado, que abandonou a Arábia Saudita com a família depois que o governo saudita retirou a proibição de viagens, chegou aos Estados Unidos.

Na quinta-feira, a diretora da CIA, Gina Haspel, apresentou ao presidente Donald Trump suas conclusões e análises da viagem à Turquia, onde conversou com diversas autoridades sobre a investigação.

A imprensa turca informou que o governo compartilhou com Haspel gravações de vídeo e de áudio do assassinato de Khashoggi no consulado.

O assassinato "tem todo o aspecto de uma execução extrajudicial e corresponde ao reino da Arábia Saudita demonstrar que isto não aconteceu", afirmou na quinta-feira Agnès Callamard, relatora especial da ONU sobre execuções extrajudiciais, sumárias e arbitrárias.

Ao mesmo tempo, o governo da Rússia afirmou nesta sexta-feira que não há motivos para não acreditar na família real da Arábia Saudita.

"Há uma declaração oficial do rei, há uma declaração oficial do príncipe herdeiro e ninguém tem razões para não acreditar", afirmou o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov.

 

gkg-ezz/bc/pb/fp



Recomendadas para você