American Airlines discrimina brasileiro afrodescendente

A America Airlines tem 48 horas para se retratar publicamente com um passageiro brasileiro e com o próprio Brasil. Na quinta-feira (21), no aeroporto de Miami, um brasileiro afrodescendente foi barrado por um funcionário da companhia aérea ao tentar embarcar no voo 905, que vinha para o Rio de Janeiro. "Sua vez não é agora. Só estamos embarcando a classe business", afirmou, imaginando que, por ser negro, aquele passageiro não poderia integrar aquela classe.

A americano, que assiste nas últimas semanas a trágicos episódios envolvendo racismo e a morte de negros inocentes nos EUA, não imagina que poderia ser da classe business um brasileiro afrodescendente. Esta é uma discriminação odienta.

Se eles matam seus cidadãos negros, este é um lamentável fato que deve ser resolvido pelo governo americano. Mas discriminar um brasileiro é um problema nosso.