Cláudia Costin desiste do cargo, mas educadores continuam mobilizados

O ministro da Educação, Aloízio Mercadante, já foi informado pela própria que a secretária Cláudia Costin preferiu permanecer à frente da secretaria municipal da Educação do Rio à assumir a Secrertaria da Educação Básica (SEB) do ministério, em substituição a César Calegari que deixará o cargo até o final do ano. Mesmo assim, ele ainda não tornou público esta decisão, talvez por ainda não ter um nome para o lugar.

Enquanto a recusa não é noticiada, ganha corpo entre pedagogos e educadores de diversos estados manifestações  contrárias à nomeação.

No Facebook criaram a página intitulada “Não. Não queremos Cláudia Costin na Secretaria da Educação Básica do MEC”. Nela, convoca-se para um ato de protesto no pátio do prédio do ministério no Rio de Janeiro, na sexta-feira, dia 30.

Com a convocação é divulgado um manifesto com os princípios que devem nortear a Educação Básica, dando a entender que eles não seriam atendidos por Costin:

“Queremos uma Educação Básica que leve em consideração a diversidade histórica, geográfica e cultural das diferentes comunidades escolares deste país. Queremos uma Política de Educação que dialogue com as Universidades, com os Sindicatos e com os mais diferentes fóruns de organização da sociedade civil já consolidados e em devir. Queremos uma Política de Educação legitimamente democrática, onde os modos plurais de aprender e ensinar sejam tratados como princípios políticos”.

A questão agora é saber se a manifestação será suspensa ao se confirmar que Costin não mais irá para o cargo, ou vão transformá-la em movimento de defesa dos princípios a serem seguidos por quem for ocupar o cargo.