Paes: arrecadação superavitária de doadores ocultos 

Não é apenas pelos resultados das pesquisas eleitorais apontando sua virtual vitória no primeiro turno, que o prefeito Eduardo Paes pode ficar despreocupado.

Ele também pode comemorar porque, financeiramente, sua campanha à reeleição vai de vento em popa. Segundo o balanço apresentado ao Tribunal Superior Eleitoral, a campanha está até superavitária, apresentando um surpreendente “lucro”.

Os registros oficiais mostram que até o início deste mês de setembro, o comitê eleitoral do prefeito contabilizava uma arrecadação de R$ 6,993 milhões e despesas de R$ 3,682 milhões. Ou seja, há uma sobra de R$ 3,311 milhões.

Na contabilidade apresentada ao TSE aparecem apenas 11 pessoas físicas como doadoras da campanha de Paes. A maior participação é da Multiplan Empreendimentos Imobiliários S/A, de José Isaac Peres, que administra 14 shoppings espalhados pelo Brasil, entre eles o Barrashopping, no Rio. Ela doou R$ 500 mil. Constam ainda a Construtora Carvalho Hosken (R$ 150 mil), a Ipiranga Petróleo (R$ 100 mil), a Abolição Veículos (R$ 15 mil) e a Rio de Janeiro Refrescos, revendedora da Coca-cola (R$ 4.278), entre outras.

Os maiores volumes de recursos da campanha, porém, não têm identificação dos doadores. Aparecem em nome do Comitê Financeiro Municipal Único (R$ 3,489 milhões) e do Diretório Nacional do PMDB (R$ 2 milhões).

A contabilidade do Comitê Financeiro Municipal mostra que o poder de fogo da campanha de Paes ainda pode ser bem maior. Pelo balanço apresentado, ele já captou R$ R$ 5,4 milhões.

Ali também não estão à mostra os maiores doadores. Aparecem apenas sete empresas, entre elas a Emccamp Residencial S.A. (R$ 400 mil), a Ambev (R$ 300 mil) e a Construtora OAS (R$ 300 mil). As sete juntas doaram R$ 1,8 milhão. Os demais R$ 3,6 milhões foram repassados pelo Diretório Nacional do PMDB, o que permite não identificar os verdadeiros doadores.

Ou seja, a campanha de Paes, que já arrecadou R$ 3,3 milhões a mais do que gastou até aqui, ainda pode contar com mais R$ 1,9 milhão que estão nos cofres do Comitê Financeiro Municipal Único. De inanição financeira ela, ao que parece, não sofrerá.