Estranha falta de quórum na Alerj

Conforme havia antecipado o Informe JB na manhã desta quarta-feira (5), o grande obstáculo à aprovação da Comissão da Verdade na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) foi o quórum do plenário. À tarde, embora 49 parlamentares registraram presença no plenário da Casa, na hora da votação do projeto que cria a Comissão, só se manifestaram 32 deputados: faltaram quatro para o quórum necessário. 

O curioso é que a votação anterior era do projeto de lei 1.688/12, que trata da venda de imóveis do estado. Entre eles, o Quartel General (QG) da Polícia Militar, na Rua Evaristo da Veiga, no Centro do Rio, avaliado em R$ 330 milhões. A proposta foi aprovada com ampla maioria em votação nominal, com 36 votos a favor, 12 contra e uma abstenção. Outros 26 imóveis estão incluídos na lista para venda.

Em mensagem que acompanha o texto, o governador Sérgio Cabral justificou a venda alegando que são imóveis subaproveitados.

Barbaridade 

Para o deputado estadual Luiz Paulo (PSDB-RJ), um dos autores do projeto que cria a Comissão da Verdade junto com os parlamentares Paulo Ramos, Gilberto Palmares e Graça Matos, o esvaziamento da sessão plenária foi uma “barbaridade”.

“Novamente o quórum caiu. Foram 32 deputados presentes. Uma barbaridade. A base do governo cumpre a sua obrigação de votar o projeto do governo e vai embora. A Comissão da Verdade não é um projeto do governo, é do parlamento. Ficaram com medo da verdade, às vezes ela dói", provocou Luiz Paulo.