Filho de Sarney, investigado pela PF, pode assumir o comando da CBF

Corre nos bastidores da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) que, mesmo mantido no comando da instituição, a "Era Ricardo Teixeira" está chegando ao fim. 

Com a possibilidade da mudança de comando, presidentes de federações estaduais e outros interessados têm se digladiado pela primazia de comandar a CBF às vésperas da Copa do Mundo no Brasil. E um dos favoritos para assumir o cargo mais cobiçado do esporte brasileiro é ninguém menos que Fernando Sarney, filho de José Sarney e atualmente vice-presidente da entidade.

Investigações, escutas e pizza

A Polícia Federal tem um longo histórico de investigações contra o herdeiro de Sarney. Ele foi apontado como articulador de um esquema para arrecadar ilegalmente fundos para a campanha de sua irmã, Roseana, ao governo do Maranhão. A ação, batizada de Operação Boi Barrica, terminou em pizza quando o Superior Tribunal de Justiça tomou a polêmica decisão de considerar todas as provas que incriminavam os filhos do ex-presidente invalidas. Ele ainda teria flagrado em uma escuta com o pai, discutindo indicações para cargos públicos.

Em um desmembramento da mesma operação, Fernando é acusado de evasão de divisas, pois teria tirado clandestinamente dinheiro do país.

Antes disso, em 2002, Fernando também se envolveu no escândalo conhecido como Caso Lunus, quando a Polícia Federal apreendeu R$ 1,3 milhão na sede da construtora de Jorge Murad, marido de sua irmã Roseana, que àquela época era candidata à presidência.