Paulo Ramos volta a atacar o PDT, mas partido nega pedido de expulsão

Alvo de um processo administrativo do PDT que pede a apuração da sua conduta pelo Conselho Nacional de Ética da legenda, o deputado estadual Paulo Ramos (PDT) monopolizou a tribuna da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) para se defender e atacar seus críticos. Ele voltou a atacar o presidente regional da sigla, José Bonifácio, e chamou que existe no Rio o "PDT do Cabral", ala do partido que se entregou ao governador fluminense. 

Cidinha na mira

Solidários com a causa de Paulo Ramos, os deputados Marcelo Freixo (Psol), Luiz Paulo (PSDB) e José Luiz Nanci (PPS) cederam seus tempos para estender o pronunciamento do companheiro. Além da diretoria do PDT, Paulo Ramos ainda atacou Cidinha Campos (PDT). Ele lembrou que a parlamentar era crítica ferrenha do governador Sérgio Cabral (PMDB), mas agora é uma de suas maiores defensoras na Casa. Como isso aconteceu? Ninguém entende. 

PDT se defende

O presidente regional do partido, José Bonifácio, disse que tem se surpreendido com a conduta de Paulo Ramos. "Ele está tentando se fazer de vítima. Nós apenas enviamos uma representação ao Conselho Nacional de Ética do PDT porque ele acusou a mim e ao (Carlos) Lupi de termos recebido dinheiro em nome do partido no interior do estado. Respeito críticas e o partido deve ser debatido, mas essas acusações são graves e levianas", defendeu-se José Bonifácio, que foi mais longe. "Hoje, o PDT só existe graças aos esforços do Carlos Lupi e de Manoel Dias (secretário nacional do partido)".