PF denuncia 10 empresas acusadas de desviar dinheiro via Lei Rouanet

Estão entre elas: Intermédica Notredame, KPMG e Lojas Cem

Novidades na CPI da Lei Rouanet - que voltou do recesso com a corda toda: a Polícia Federal indiciou 29 investigados na Operação Boca Livre – apuração sobre desvios de recursos públicos estimados em R$ 30 milhões liberados pelo Tesouro via Lei Rouanet -, deflagrada em junho último. 

O relatório final do inquérito da PF atribui a dez empresas - Intermédica Notredame, KPMG, Lojas Cem, NYCOMED PHARMA (Takeda), Grupo Colorado, Cecil S/A, Scania, Roldão, Demarest Advogados e Laboratório Cristália 0 parcerias com o esquema supostamente montado pelo Grupo Bellini Cultural, alvo principal da investigação.

Os investigadores apontaram ainda fragilidades do Ministério da Cultura no que diz respeito a concessão e fiscalização de recursos públicos que bancaram projetos culturais desde o início da vigência da Rouanet, em 1992.

Em tempo: ventos de Brasília trazem a informação de que o Roberto Freire, Ministro da Cultura, quer limitar a captação de shows para o máximo de 2 milhões de reais por projeto.