'Cheias de charme' ainda não estreou, mas já causa polêmica

Secretárias não querem que empregadas domésticas sejam chamadas de 'secretárias do lar'

Confira também o nosso blog.

Estamos naquele clima ansioso à espera do primeiro capítulo da nova novela das 19h da Globo, Cheias de charme, na segunda (16), mas, antes mesmo da estreia, já tem gente querendo mudar alguns detalhes da trama. A Federação Nacional de Secretárias e Secretários enviou uma carta à emissora pedindo que as empregadas domésticas, que protagonizam a trama, na pele de Isabelle Drummond, Leandra Leal e Taís Araújo, não sejam chamadas como 'secretárias do lar'. "Observamos haver um grande e lamentável equívoco ao intitular as profissionais domésticas de ‘secretárias do lar’. Profissão que não existe", diz o texto.

A instiuição ainda salienta as diferenças entre as empregadas domésticas e as secretárias e pede para que os profissionais da área manifestem sua insatisfação com o título atribuído às personagens. “Salientamos que a manifestação individual de cada profissional que representamos é importante para demonstrar à emissora a união e força da categoria, que incansavelmente luta pelo reconhecimento, valorização e consolidação da profissão”, pede Maria Bernadete Lieuthier, presidente da Fenassec, que assina a carta.

Em resposta ao protesto, a Globo informou que o termo 'secretária do lar' não aparecerá mais nas chamadas da novela e nem nos textos enviados à imprensa, mas não se compromete a tirá-lo da trama. "No campo da ficção – o universo das novelas – não há compromisso algum com a realidade, preservados os valores éticos e morais. É o terreno da liberdade de expressão, amplamente protegida a partir da nossa Constituição”, informa o comunicado. "Ao usar 'secretárias do lar' os autores não pretendem desmerecer as funções de secretariado, mas usar esse respeitável ofício como forma de enaltecer um trabalho pouco valorizado. Muito mal comparando, é como chamar 'árbitro de futebol' de juiz ou 'técnico de futebol' de 'professor'", finaliza Luis Erlanger, diretor da CGCOM.

[email protected]