De volta à realidade: após festa na Sul-Americana, Botafogo é goleado pelo Atlético-MG: 3 a 0

Foi um choque de realidade. Três dias após a torcida fazer uma linda festa no Nilçon Santos, na vitória de 2 a 0 sobre o Nacional do Paraguai, pela Copa Sul-Americana, o Botafogo recebeu o Atlético-MG. A história foi totalmente diferente. Diante de uma equipe bem melhor, o time do técnico Zé Ricardo foi presa fácil e acabou goleado por 3 a 0. Sem dó nem piedade.  

“Acredito que o placar foi duro para a gente, ainda mais depois do que fizemos no primeiro tempo, quando tivemos equilíbrio das ações. No segundo tempo, não tem o que esconder, ficamos muito abaixo. Contra uma equipe como essa, erramos demais. Eles podiam ter feito até mais. Temos que ter calma. Teremos dois jogos difíceis pela frente (Palmeireas e Sport) e temos  que começar bem o returno”, reconheceu Zé Ricardo, que conheceu sua primeira derrota à frente do Botafogo após três partidas.

Com a goleada, o Botafogo perdeu a invencibilidade dentro de casa no Brasileiro.  Até ontem, eram quatro vitórias e quatro empates nos jogos dentro do Nilton Santos. Na quarta-feira o time carioca enfrenta o Palmeiras, no Allianz Parque.  E não deverá contar tão cedo com o capitão Rodrigo Lindoso. Ele deixou o campo com uma lesão muscular e vai desfalcar a equipe nos próximos jogos.  

Ainda empolgado pela boa vitória no meio da semana diante de quase 40 mil torcedores, o Botafogo até que fez um bom primeiro tempo. Com Gustavo Bochecha,  que não jogava há um bom tempo, no lugar do suspenso Matheus Fernandes, o time carioca chegou até a ser melhor do que o Atlético-MG.

Obrigou o goleiro Victor a fazer boas defesas, em dois chutes de Leo Valencia e teve ainda uma bopa chance nos pés de Luiz Fernando. Mas foi do Atlético-MG a melhor chance da primeira etapa, com Ricardo Oliveira, aos 19 minutos. O atacante penetrou sozinho e, diante de Saulo, concluiu para fora. 

Os 45 minutos finais foram um passeio do Atlético-MG. O jogo começou a mudar aos 13 minutos, quando Luan entrou no lugar de Nathan. Três minutos depois, ele tabelou com Emerson e tocou na saída de do goleiro Saulo.

O Botafogo se desesperou e acabou se desorganizando em campo. O Atlético-MG aproveitou os espaços e fez o quis. Aos 35, o colombiano Chará, com mais uma ótima atuação, fez excelente jogada e rolou para Cazares ampliar. Aos 44, foi a vez de Tomas Andrade marcar. Estava tão fácil, que Ricardo Oliveira perdeu o quarto ao tentar encobrir Saulo.  “A gente fez um segundo tempo abaixo do que esperava. O Atlético-MG, principalmente após a entrada do Luan, ganhou bastante volume de jogo. Enfrentamos uma equipe que sabe sair contra-atacar”, lamentou Zé Ricardo.

Botafogo: Saulo, Luís Ricardo, Joel Carli, Igor Rabello e Moisés; Rodrigo Lindoso (Marcelo), Bochecha (Brenner), Renatinho (Rodrigo Pimpão) e Leo Valencia; Luiz Fernando e Aguirre. Atlético-MG: Victor, Emerson, Léo Silva, Maidana e Fábio Santos; Zé Welison, Matheus Galdezani (Lucas Cândido), Nathan (Luan), Cazares (Tomás Andrade) e Chará; Ricardo Oliveira. Juiz: Marcelo Aparecido de Souza (SP). Cartões amarelos: Zé Welison, Galdezani, Victor, Emerson, Rodrigo Pimpão e Luiz Fernando.