Empurrado pela torcida, Botafogo vence o Nacional-PAR e agora enfrenta o Bahia na Sul-Americana

A festa alvinegra foi completa ontem no Nilton Santos. Diante de quase 40 mil torcedores, o Botafogo fez uma de sua melhores atuações no ano e venceu o Nacional do Paraguai por 2 a 0. Com a vitória o time se classificou para as oitavas de final da Copa Sul-Americana e terá o Bahia como adversário. A torcida que não parou de incentivar o time, comemorou muito. lembrando a Libertadores do ano passado . 

Inflamados pelo estádio lotado, pelo mosaico em que a torcida pedia o bi (em alusão ao título da Conmebol de 1993) e pela necessidade de vencer, os jogadores do Botafogo começaram a partida num ritmo alucinante. Todo mundo correndo muito e se entregando ao máximo para tentar abrir o marcador o mais cedo possível. O problema alvinegro era o de sempre: a falta de qualidade dos atletas.

O time tinha posse de bola, mas não conseguia envolver a defesa paraguaia. Mesmo assim, conseguiu imprensar o Nacional em seu campo, na base da pressão. Até porque, a equipe paraguaia só queria fazer o tempo passar e não se importava que a bola ficasse com o adversário. Aos 19, numa bola alçada na área paraguaia, Igor Rabelo ganhou a disputa e  Rodrigo Lindoso mandou para as redes. O árbitro anulou seguindo o bandeirinha, que marcou impedimento do zagueiro.

O Botafogo concentrava a maioria dos ataques pelo lado direito, onde Luiz Fernando se destacava, fazendo boa dupla com Marcinho. Numa tabela entre os dois, Montiel pôs a mão na bola. Leo Valencia cobrou e jogou a bola na cabeça de Rodrigo Lindoso, que cabeceou para o chão, sem chance para o goleiro Rojas. Os quase 40 mil alvinegros que lotavam o Estádio Nilton Santos enlouqueceram. Foi o 14º gol de Lindoso com a camisa do Botafogo.

Sem alterações, o Botafogo voltou para etapa final disposto a decidir o jogo. Com um minuto, Carli subiu bem e cabeceou para grande defesa de Rojas. Cinco minutos depois,  Renatinho fez ótima jogada individual e o lance sobrou para Leo Valencia. O chileno bateu pro gol, mas a bola estourou na trave.   

A pressão alvinegra continuou e aos 12 foi a vez do uruguaio Aguirre, que fazia boa partida, acertar a trave de Rojas. Logo depois, Renatinho se machucou e Pimpão entrou em seu lugar.

 O Botafogo queria o segundo gol e continuava em cima. Luiz Fernando perdeu ótima chance, assim como Valencia. Mas aos 25, Vieyra quase empate. 

O alívio só veio aos 43. Valencia, que fez boa partida, chutou de fora da área, colocado, e fez o segundo. A festa foi completa e até o chileno foi aplaudido. 

Botafogo: Saulo, Marcinho, Joeal Carli, Igor Rabelo e Moisés; Rodrigo Lindoso, Matheus Fernandes, Renatinho (Rodrigo Pimpão), Léo Valencia e Luiz Fernando; Aguirre (Brenner). Nacional-PAR: Rojas, Franco (Cardozo), Velázquez, Paniagua e Montiel; Alegre (Baez), Miño, Arguello (Vieyra), Clarke e Santacruz; Barreiro. Juiz: Patricio Lostau (ARG). Cartões amarelos: Montiel, Paniagua, Rodrigo Lindoso, Leo Valencia.