Depois de Carpegiani e Rodrigo Caetano, Flamengo demite Jayme, Mozer e preparador

A eliminação para o Botafogo nas semifinais do Campeonato Carioca gerou uma verdadeira revolução no Flamengo. Horas depois de anunciar a demissão do técnico Paulo César Carpegiani e do diretor-executivo de futebol Rodrigo Caetano, o clube rubro-negro comunicou também o desligamento de outros três nomes: Jayme de Almeida, Mozer e Marcelo Martorelli.

Trata-se de uma tentativa de mudar os rumos do clube, que nos últimos tempos sofre com a falta de resultados apesar dos altos gastos. Nesta temporada, o Flamengo até empolgou seu torcedor no início, mas caiu gradativamente de produção até ser derrotado pelo Botafogo por 1 a 0, na quarta-feira, e cair nas semifinais do Carioca.

Curiosamente, foi um destes nomes demitidos que liderou o clube em seu último sucesso nacional. Em 2013, o Flamengo conquistou a Copa do Brasil com Jayme de Almeida como treinador, cargo que assumiu interinamente naquele ano e no qual foi efetivado após a de Mano Menezes. De lá para cá, o time conquistou apenas dois Campeonatos Cariocas.

Jayme, aliás, é figura com o nome estreitamente ligado ao Flamengo, no qual também atuou como jogador. Ele retornou ao clube ainda em 2010 e, aos poucos, foi crescendo lá dentro. Nos últimos anos, ocupava o cargo de auxiliar fixo da comissão técnica.

Mozer é um dos ídolos históricos do Flamengo e foi zagueiro do time campeão da Libertadores e mundial em 1981. Ele havia retornado ao clube em 2016, no cargo de gerente de futebol, que ocupava até esta quinta-feira.

Nome menos conhecido deste trio, Marcelo Martorelli talvez tenha sido a maior surpresa entre as demissões. Isso porque tinha 28 anos de Flamengo, clube no qual exercia o cargo de preparador físico. A direção rubro-negra ainda não anunciou reposição para nenhuma destas vagas.