Vasco: Zé ainda não definiu time, mas confia em Félix: 'Muito bem preparado'

Treinador confirma Paulinho caso esteja recuperado

A semana foi corrida para o Vasco. Poucos dias depois de vencer o Botafogo em jogo decisivo da fase de grupos, a equipe terá mais um clássico contra o rival valendo classificação para a final. O desgaste para buscar a vitória nos minutos finais foi grande e nem todos estão 100%. Se o time vai ser o mesmo? Nem Zé Ricardo sabe.

- Usamos mais o treino para recuperar os atletas. Agora através de videos vamos acertar o posicionamento. Paulinho está em tratamento, treinando e tratando ao mesmo tempo. Tem uma dorzinha, é um menino jovem e sendo solicitado em 3 em 3 dias tem que ter um cuidado para preservar a condição física dele. Se estiver bem, vai para jogo - explica o treinador.

- Não defini (a formação no ataque). Paulinho ou Rildo sempre eram as primeiras opções de substituição, e sem um deles, perde um no banco. Amanhã é uma nova história, até pensando em recuperação e possíveis substituições. Temos um bom tempo até o jogo, já avisei os jogadores que a equipe está aberta. Todos estão alertas.

Se a formação ofensiva ainda não está definida (mas provavelmente terá a mesma escalação do último clássico, com Paulinho), o único garantido por Zé Ricardo é o substituto de Martin Silva: Gabriel Felix. Com o uruguaio convocado para Seleção, o goleiro da base ganha mais uma chance nos profissionais e o primeiro clássico decisivo. O garoto é criticado pela torcida, mas não por Zé Ricardo, que sabe do histórico do atleta nas divisões de base.

- É uma falta muito sentida, uma liderança natural com a experiência que tem. A participação nessa Data Fifa, para ele, é importante. Confiança total ao Gabriel Félix, que vem participando do crescimento dentro do clube. É uma oportunidade para ele mostrar todo seu potencial - afirma o comandante.

- Logo no primeiro ano de sub-20, com 17 anos, Félix foi titular. Teve três anos de sub-20 jogando muitos clássicos no Rio. Conhece boa parte dos meninos do Botafogo, que também tem jogadores da base. Sabe que é um clima diferente, mas tem a cabeça boa. É participativo mesmo jogando pouco, no banco, nos treinos. Com a experiencia do ano passado, tem adquirido um nível de concentração que pode fazer ele render no nível melhor dele sem se influenciar com fatores externos. Assim que ele vai amadurecer. Ele está muito bem preparado.