Queda de elevador como a que matou pai de Camacho é comum

O acidente que provocou a morte do pai do volante Camacho, do Corinthians, na noite de domingo (19), tem ocorrido com alguma frequência no Rio. Anízio Ferreira, 56 anos, não resistiu à queda do elevador que mantinha em sua residência, no bairro da Pavuna, zona norte do Rio. A mãe e o irmão do atleta, dona Rita e Leonardo, ficaram feridos.

O elevador era utilizado para facilitar a locomoção de Leonardo, que é cadeirante, e despencou com os três ocupantes. De acordo com Emilson Carlos Fiaux, auditor técnico com mais de 20 anos de experiência em manutenção de elevadores pela empresa ThyssenKrupp, há uma porcentagem grande de elevadores no Rio sob risco.

Ele trabalha atualmente na IGBT Transporte Vertical, que em 2016 executou 366 vistorias em prédios residenciais e comerciais do Rio e constatou problemas em 70% dos elevadores.

“Não estavam em conformidade com as normas.  Num condomínio do Parque das Rosas (na Barra da Tijuca), havia o risco de o morador abrir a porta, de todos os elevadores, e não se deparar com eles. No mês passado, fizemos vistoria de quatro elevadores num condomínio da Lucio Costa (também na Barra) e constatamos o risco iminente de acidentes em todos eles.”

O especialista conta que o desleixo está em toda parte e que os acidentes ocorrem em grande número na cidade, o que ameaça a segurança de milhares de pessoas. “Quando chego ao prédio e pergunto pelo RIA (Relatório de Inspeção Anual), geralmente recebo o documento no qual se certifica que não existe nada a ser feito nos elevadores. No último prédio em que constava essa informação no RIA, encontramos mais de 80 itens a serem consertados”, disse Emilson.

O RIA é um item de exigência da Gerência de Engenharia Mecânica, órgão vinculado à Companhia Municipal de Energia e Iluminação (Rioluz) e fiscalizador da prefeitura carioca nas vistorias dos consultores de elevadores.

No último dia de dezembro de 2016, a jovem Flora Muller, 24 anos, morreu em Copacabana, numa tragédia idêntica à sofrida pelo pai do jogador. No mês passado, sete pessoas ficaram feridas quando um elevador despencou do 17º andar de um edifício de luxo, em outro acidente na Barra da Tijuca.