Presidente argentino ratifica fim de ajuda ao futebol

Dirigente chamou Mauricio Macri de 'sem vergonha'

O presidente da Argentina, Mauricio Macri, ratificou nesta quarta-feira (18) o fim do programa "Futebol para Todos" pelo qual o Estado investia dinheiro no futebol argentino há anos.    

"Como confirmaram por aclamação os cidadãos argentinos, o Estado não vai mais participar do programa Futebol para Todos com a Associação do Futebol Argentino (AFA). O futebol está em crise terminal e seus dirigentes não levam o tema com seriedade, como deveriam", acusou Macri em coletiva de imprensa.    

Segundo o mandatário, "há seis meses" os dirigentes já sabiam que ele iria descontinuar o programa. "Espero que saibam como seguir adiante a partir de fevereiro", ironizou.    

O presidente argentino ainda pediu para que a AFA deixe a "escuridão e seja transparente" ao responder uma pergunta que o questionava sobre a duração da parceria, que deveria seguir até 2019.    

As entidades ligadas à Associação solicitam um ressarcimento pela rescisão do contrato vigente desde 2009, quando a AFA, então presidida por Julio Grondona, tornou-se sócia do programa do governo da época. Ao todo, eles pedem cerca de 500 milhões de pesos argentinos (cerca de US$ 34 milhões).    

Com o falecimento do "chefão" do futebol do país, em 2014, a entidade ainda não elegeu um sucessor, em uma situação que levou a Fifa a criar uma comissão para gerir a AFA. No entanto, nem a Comissão Normalizadora conseguiu obter algum resultado prático.    

A organização está, desde então, dividida entre os "clubes grandes", que querem criar uma Superliga independente, e o restante dos times, que querem que uma empresa privada ocupe o lugar da AFA.   

Macri, que já foi presidente do Boca Juniors, tomou uma decisão polêmica entre os maiores times do país. "É um filho da puta, um sem vergonha. É muito grave o que ele disse sobre o futebol, com uma soberba incrível ao falar de dirigentes", disse sem meias palavras Raúl Gámez, presidente do Vélez Sarsfield, à "Radio Telam".

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais