Chapecoense: Países de língua portuguesa enviam condolências

Os presidentes de Cabo Verde, Moçambique e Portugal enviaram mensagens de condolências ao Brasil, lamentando as mortes provocadas pela queda do avião da Chapecoense na madrugada desta terça-feira (29). 

O presidente moçambicano, Filipe Nyusi, manifestou nesta quarta-feira (30) ao seu homólogo brasileiro, Michel Temer,  "profunda dor e consternação". 

"Gostaria de endereçar as nossas mais sentidas condolências a vossa excelência, às famílias enlutadas e ao povo e Governo da República Federativa do Brasil", expressou em nota. 

O presidente de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca, afirmou nesta terça-feira em nota que "foi com imensa tristeza e pesar que tive conhecimento do acidente ocorrido, com o avião que transportava a equipa Chapecoense Real do Brasil, com destino a Medellín, Colômbia, ceifando a vida de dezenas de pessoas, entre as quais jogadores e equipa técnica". O chefe de Estado cabo-verdiano endereçou em seu nome e do "povo de Cabo Verde, as mais sentidas condolências às famílias enlutadas e ao povo irmão brasileiro".

O Presidente português Marcelo Rebelo, também se manifestou onte, lamentando a "morte de dezenas de pessoas no trágico acidente aéreo ocorrido esta madrugada na Colômbia, em que se perdeu também a grande maioria dos jogadores do Chapecoense". "Quero expressar as minhas sinceras condolências ao Presidente Michel Temer, ao povo brasileiro, e de outras nacionalidades, e a todos os familiares por esta perda inestimável", acrescentou.

Segundo a agência de Aeronáutica Civil da Colômbia (Aerocivil), 77 pessoas viajavam no avião fretado pela Chapecoense, que caiu ontem perto do aeroporto internacional de Medellín. O acidente causou 71 mortes. Seis pessoas foram resgatadas com vida.

O avião se dirigia para o aeroporto José María Córdoba, em Medellín, onde a equipe da Chapecoense jogaria nesta quarta-feira (30) a primeira partida final da Taça Sul-americana, contra o Atlético Nacional colombiano.

*Com informações da Agência Lusa