'BBC': Jack Warner diz que vai revelar tudo apesar de temer por sua vida

Ex-vice-presidente da Fifa afirma que Blatter participava de transações

Warner, que disse temer por sua vida, também afirmou que poderia ligar autoridades da Fifa às eleições gerais em seu país, Trinidad e Tobago, em 2010.

Ele é uma das 14 pessoas acusadas pela justiça norte-americana por corrupção na Fifa.

Outra autoridade importante da Fifa e testemunha-chave, o americano Chuck Blazer, admitiu ter aceitado propinas.

As admissões vieram em uma transcrição recém-divulgada da confissão de culpa de Blazer de 2013, como parte de um amplo caso criminal levado adiante pelos EUA que envolveu a Fifa e levou o presidente Sepp Blatter a renunciar.

O departamento de justiça dos EUA alega que as 14 pessoas acusadas em todo mundo aceitaram propinas estimadas em mais de US$ 150 milhões ao longo de 24 anos. Quatro outros já foram acusados, inclusive Blazer.

Warner, 72, renunciou a todas as atividades ligadas ao futebol em 2011 sob acusações de corrupção e depois renunciou o cargo de ministro da Segurança de Trinidad e Tobago em meio a investigações de irregularidades.

Figura chave no escândalo cada vez maior, ele conta ter dado documentos a advogados que evidenciam as ligações entre Fifa, seu fundo, ele mesmo e a eleição de 2010 em Trinidad e Tobago. Ele disse que Blatter também fazia parte das transações.

"Eu não vou mais manter segredos para eles que buscam energicamente destruir o país," disse ele em um discurso na TV de Trinidad e Tobago na noite de quarta-feira chamado "As luvas estão de fora".

Falando a seus apoiadores em um comício mais tarde no mesmo dia, ele prometeu uma "avalanche" de revelações.