Del Nero diz que não vai renunciar à Presidência da CBF

Mandatário ainda ressaltou que Conmebol votará em bloco

 O presidente da Confederação Brasileira de Futebol, Marco Polo Del Nero, afirmou nesta sexta-feira (29) que não pretende deixar o comando do futebol brasileiro após o escândalo que atingiu a Fifa e o ex-presidente da entidade José Maria Marín.    

"Eu não vou renunciar. Não há nenhuma razão para renunciar. Eu não tenho nada a ver com isso", destacou Del Nero ao ser questionado pelos jornalistas em uma coletiva de imprensa.    

Sobre a prisão de Marin, de quem é amigo, o mandatário informou que soube do fato "por telefone" e que após a determinação de um advogado pela Conmebol ele só soube dos fatos "pela imprensa". Ele ainda revelou tristeza pelo que aconteceu.    

"É triste, mas como presidente você tem que tomar as providências necessárias. Estou perplexo com tudo que aconteceu, mas temos que tomar as ações. Deveríamos tomar providências imediatas para demonstrar a vontade da CBF de mostrar que está sem mácula. Não sabia desse esquema, como é que eu iria saber?", ressaltou Del Nero.    

O presidente foi questionado também sobre os contratos e disse que, como empresa privada, a CBF não tem obrigação de revelar valores - a não ser que seja pedido por um órgão de Justiça.    

Reafirmando que "todos os contratos serão analisados" pela nova diretoria, Del Nero destacou que nenhum deles foi assinado por ele.    

O mandatário também falou sobre sua saída "às pressas da Suíça", durante o congresso que elegerá o novo presidente da Fifa, e informou que tomou a atitude para responder e assumir os processos que estão sendo abertos no país.    

Sobre o pleito da Fifa, Del Nero reiterou que deixou orientações para que os delegados brasileiros que ficaram na eleição votarão "em bloco" com a Conmebol.    

"Nós vamos votar de acordo com a Conmebol porque a Conmebol vota em bloco. Quando há mais de seis votos em um candidato, os outros quatro votam igual. Disse para meus delegados acompanharem a maioria", destacou.    

Sobre a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), instalada no Senado para averiguar casos de corrupção na CBF, Del Nero falou que "irá responder" a todas as esferas para mostrar que a entidade não tem "mácula".