Saiba quem são os 14 acusados de corrupção na Fifa

A operação das polícias da Suíça e dos Estados Unidos, que resultou na prisão imediata de sete dirigentes da Fifa, aponta ainda outras sete pessoas por suposta corrupção em contratos da entidade máxima do futebol.

Conheça os acusados:

- Jeffrey Webb, atual vice-presidente da Fifa e presidente da Confederação de Futebol da América do Norte, América Central e Caribe (Concacaf). Foi detido hoje.

- Eduardo Li: Detido nesta quarta, é presidente da Confederação de Futebol da Costa Rica, membro do atual Comitê Executivo da Fifa e do Comitê Executivo da Concacaf;

- Julio Rocha: Vindo da Nicarágua, é diretor de desenvolvimento da Fifa e também foi levado pelos policiais;

- Costas Takkas: Preso hoje, é assistente da Presidência da Concacaf;

- Jack Warner: ex-presidente da Concacaf, ex-vice-presidente da Fifa e membro do Comitê Executivo da entidade;

- Eugenio Figueredo: Preso na operação, é atual vice-presidente da Fifa e membro do Comitê Executivo. Também é ex-presidente da Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol);

- Rafael Esquivel: atual membro do Comitê Executivo da Conmebol e presidente da Federação Venezuelana de Futebol. Foi preso hoje;

- Nicolás Leoz: ex-membro do Comitê Executivo da Fifa e ex-mandatário da Conmebol;

- Alejandro Buzarco: CEO da Torneos y Competencias, empresa de marketing esportivo;

- Aaron Davidson: presidente da Traffic Sports USA Inc., empresa de marketing esportivo;

- Hugo Jinkis: Empresário e sócio da empresa argentina de marketing, Full Play Group;

- Mariano Jinkis: Empresário e sócio da empresa argentina de marketing, Full Play Group;

- José Margulies: Empresário brasileiro que é dono da Valente Corp. e Somerton Ltd, empresa de transmissão de eventos esportivos.

José Maria Marín: Preso hoje, é o vice-presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF). É também ex-presidente da entidade.

Além deles, o jornal "The Guardian" revelou que outros dez dirigentes ou ex-dirigentes serão ouvidos pela Justiça - sem terem sido acusados pelo crime: Vitaly Mutko (ministro do Esporte e chefe da Copa na Rússia 2018), Issa Hayatou (presidente da Confederação Africana de Futebol), (Espanha), Michel D'Hooghe (Bélgica), Senes Erzik (Turquia), Worawi Makudi (Tailândia), Marios Lefkaritis (Chipre), Jacques Anouma (Costa do Marfim), Rafael Salguero (Guatemala), Hany Abo Rida (Egito).