Minas Tênis Clube repudia racismo e se solidariza com central Fabiana

O Minas Tênis Clube, equipe pela qual torce o homem que chamou a central Fabiana de "macaca", em partida pela Superliga Feminina de Vôlei, nesta terça-feira, emitiu nota se solidarizando com a capitã da Seleção Brasileira. O clube mineiro disse repudiar o ato do torcedor e garantiu ter tomado todas as medidas cabíveis para puni-lo.

“O Minas é absolutamente avesso a quaisquer manifestações discriminatórias, contrárias aos princípios e valores praticados pelo clube. Todas as medidas cabíveis foram imediatamente tomadas pela segurança do Minas, que retirou o agressor do ginásio e acionou a Polícia Militar. Atitudes racistas como esta são frutos de atitudes isoladas e não representam o respeito que a torcida minastenista sempre demonstrou para com equipes visitantes”, diz o comunicado.

Capitã da Seleção Brasileira de vôlei e jogadora do Sesi-SP, a central Fabiana foi alvo de insultos racistas na última terça-feira, durante partida contra o Camponesa/Minas pela Superliga Feminina. De acordo com a atleta, um homem na torcida "disparou uma metralhadora de insultos" e a chamou de "macaca" por várias vezes, tendo sido retirado do ginásio e encaminhado à delegacia em Belo Horizonte.

Em publicação nas redes sociais, Fabiana disse que foi especialmente atingida pelo episódio por ser nativa da capital mineira, e também por sua família estar presente ao ginásio. A jogadora afirmou que pensou em não comentar o ocorrido, mas que falar sobre o racismo "ajuda a colocar em discussão o mundo em que vivemos e queremos para nossos filhos". Em quadra, a partida terminou com vitória do Minas por 3 sets a 1.

Confira, na íntegra, a nota divulgada pelo Minas Tênis Clube:

O Minas Tênis Clube lamenta e repudia o ato de racismo ocorrido nessa terça-feira, durante a partida contra o Sesi-SP, pela Superliga Feminina de Vôlei. O Minas é absolutamente avesso a quaisquer manifestações discriminatórias, contrárias aos princípios e valores praticados pelo Clube.

Todas as medidas cabíveis foram imediatamente tomadas pela segurança do Minas, que retirou o agressor do ginásio e acionou a Polícia Militar.

O Minas se solidariza com a atleta Fabiana, formada nas categorias de base do Clube. Atitudes racistas como esta são frutos de atitudes isoladas e não representam o respeito que a torcida minastenista sempre demonstrou para com equipes visitantes.