Rio Open 2015 terá quadra só para Nadal e ingressos salgados

Organização do ATP 500 preparou arena especial para o espanhol treinar

A organização do Rio Open 2015 lançou oficialmente o torneio ATP 500, nesta quarta-feira, com duas principais novidades. Uma delas boa, outra nem tanto. Em solenidade no Jockey Club, na zona sul do Rio de Janeiro, local que receberá mais uma vez as competições masculina e feminina (WTA), foi anunciado que Rafael Nadal, principal astro com presença confirmada, terá uma arena própria para treinos. Os diretores divulgaram também o início das vendas dos ingressos – para 2015, com acréscimo de até 45% nos valores.

A competição ocorre em piso de saibro e entre os dias 16 e 22 de fevereiro – justamente na semana do Carnaval. No nova disposição do Rio Open, o número de quadras passou de oito para nove, sendo que uma delas foi pensada exclusivamente para atender o tenista espanhol, atual número 3 do mundo.

Quem participou do Rio Open deste ano, na edição inaugural, percebeu que todas as sessões de treino de Nadal eram marcadas por uma aglomeração de fãs, que não tinham local devido para se posicionar para assistir aos treinos, tampouco para se esconder do forte calor. “Foi uma loucura esse ano, então precisávamos rever isso”, admitiu Luiz Carvalho, diretor geral do evento.

“Na quadra onde o Nadal treinava existia uma arquibancada do clube, por isso que ele já treinava ali. Mas aquela arquibancada de concreto não existe mais, porque ali entrou a quadra nova que a gente vai ter de jogo. Mudamos a quadra dele com uma estrutura provisória de arquibancada para poder comportar o pessoal que vai ver o treino dele”, explicou ainda. Serão três níveis de arquibancada, com capacidade ainda não divulgada.

O evento ainda divulgou os detalhes para quem quiser comprar os bilhetes para as partidas do ano que vem – que contarão ainda com a presença dos brasileiros Thomaz Bellucci e Teliana Pereira, que atingiram este ano, respectivamente, as quartas de final e semifinal do torneio. Clientes da operadora Claro, patrocinadora máster da competição, já podem adquirir os bilhetes.

A partir do dia 12/12 a venda abre ao público em geral que terá que desembolsar por ingressos até 45% mais caros. O valor do bilhete para a grande final, por exemplo, sairá por R$ 510 – este ano ficou em R$ 350. Já a entrada mais barata, para a sessão matutina na cadeira lateral, passou de R$ 20 para R$ 25.

“O aumento do preço é uma acomodação em relação ao primeiro evento”, argumentou Lui, como é mais conhecido o diretor do Rio Open. “Está equiparável aos eventos (ATP) 500 do mundo. A gente está com um preço praticado muito similar. O nível de entrega que o público pode ter equivale a um show de um grande artista, banda, é algo comparável”, avaliou ainda.

A meta da organização é superar o público de 50 mil pessoas deste ano e atingir um público total de 60 mil fãs, mesmo com o aumento no preço dos ingressos e a possível concorrência com o Carnaval. “Não preocupa nem um pouco”, disse o diretor sobre a maior festa popular do Brasil ocorrer no mesmo período”.

“O Rio de Janeiro já tem o Carnaval há muitos anos e sempre se preparou direito. O Rio Open vai complementar o Carnaval. Vão ter muito estrangeiros. A gente espera um público diferente, com gente mais de fora do Rio de Janeiro para poder curtir mais o evento”, complementou.

Por fim, em relação aos horários das partidas, havia uma intenção inicial de colocar as partidas mais importantes do dia um pouco mais tarde – mas como o risco de chuva sempre existe, “não podemos fazer isso, pois precisamos ter uma gordura”, explicou Lui. As alterações, portanto, foram mais simples.

“O início vai ser um pouco mais tarde, passando das 10h para as 11h. Na parte da tarde, passa de 16h30 para 16h45. Esse jogo inicial possivelmente uma dupla passando para a quadra central. Temos mais flexibilidade. E as finais mudaram. A feminina, ao invés das 14h, começa às 15h, e a masculina começa às 18h, ao invés das 17h. Até por causa do calor, já que quem sofre mais é o público”, finalizou.