Santos bate o pé e pede que CBF esqueça problema de rival

A diretoria do Santos está confiante sobre a realização do clássico contra o São Paulo, no próximo dia 23, na Arena Pantanal, em Cuiabá. O gerente de futebol do clube, Zinho, alegou que o Santos até já recebeu pela venda do mando de campo a uma empresa de eventos e pediu para que as entidades envolvidas, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF), além das federações paulista e mato-grossense, não impusessem empecilhos devido aos problemas envolvendo o rival Corinthians.

"O jogo foi vendido e o Santos já recebeu. Para nós, será em Cuiabá. Agora, é questão da CBF e da Federação Paulista, por um problema com o Corinthians eles estão resolvendo. Nós não temos nada a ver, está nos atrapalhando, pois estamos com hotel e passagem bloqueados e não podemos confirmar. Temos até quinta-feira para confirmar e o tempo está acabando. Para nós vai ser em Cuiabá. O problema do Corinthians é do Corinthians", explicou o dirigente.

A CBF diz que o problema envolve a mesma empresa de eventos sobre o não pagamento ao rival pela realização do jogo que realizou contra o Vitória, no último dia 22, válido pela 30ª rodada da competição.

"A informação que tenho é que alia-se ao problema do Corinthians em não receber uma parte da cota e sobre as condições do estádio, que vestiário, acomodação e o campo não estaria bons. Todas as garantias que o Santos pediu foram dadas, os organizadores cumpriram com tudo, então o Santos está totalmente voltado para fazer o jogo lá. Até a federação do Mato Grosso, junto com o Governo também estariam fazendo esse contato com CBF para que desse todas as condições. É uma Arena de Copa e digna de receber um clássico", amenizou o ex-jogador.

A indefinição tem afetado o São Paulo, que cita que a CBF ainda não confirma a partida para a Arena Pantanal, apesar de dirigentes alvinegros garantirem que o duelo será realizado no local, impossibilitando realizar o plano de logística entre viagens pela competição e a Copa Sul-Americana.

Na semana passada, a diretoria atacou a entidade por marcar a primeira semifinal da Sul-Americana, contra o Atlético Nacional, para esta quarta, em Medellín, na Colômbia.

Com dificuldades financeiras e já sem pretensões na temporada, o Santos aguarda como uma das poucas oportunidades de lucrar e quitar os atrasados no fim de ano. O clube deve ganhar cerca de R$ 1 milhão com o acordo.