Grêmio vence Botafogo por 2 a 0 e segue na briga pelo G-4

O Grêmio usou sua principal arma para se firmar na briga pelo G-4 do Campeonato Brasileiro, neste domingo: com uma defesa muito bem reforçada, o time gaúcho não deu chances para o Botafogo no Estádio do Maracanã e venceu por 2 a 0, após dois gols marcados por Barcos. O resultado mantém o time tricolor perto do G-4, com 43 pontos, em 5º lugar, atrás do Atlético-MG apenas por causa do saldo de gols. Já o Botafogo tem 26 e pode terminar a rodada na zona de rebaixamento.

O primeiro tempo do jogo foi praticamente um duelo de 11 contra 1: o Grêmio teve muito mais posse de bola (68%) e atacou o tempo todo. Mas Jefferson foi o principal destaque, salvou sozinho e ganhou a disputa nos 45 minutos. O Botafogo só teve contra-ataques pouco eficientes.

A defesa mais incrível de Jefferson aconteceu aos 11min. Barcos recebeu a bola sozinho na área, girou rápido, chutou cruzado, mas o goleiro pegou com o pé. Logo depois, aos 15min, Ramiro também dominou a bola sozinho, no peito, mas Jefferson evitou a finalização dele. Os ataques seguiram até o fim do primeiro tempo, quando o goleiro ainda precisou abafar outra chance de Ramiro.

No segundo tempo houve uma falsa impressão de que algo iria mudar, pois o Botafogo criou uma grande chance de gol. Mas Marcelo Grohe fez difícil defesa após um voleio de Emerson. E na sequência saiu o primeiro gol do jogo: Dudu fez um lindo passe para Zé Roberto, que tocou para Barcos marcar o gol muito facilmente.

O Botafogo até tentou sair para o ataque, mas mostrou todas limitações que o colocaram na luta contra o rebaixamento. Sem conseguir pressionar, acabou levando um gol após falha da defesa. Edilson chutou a bola para longe, mas ficou na área dando condições para Barcos. A sobra ficou com Fellipe Bastos, que tocou para o argentino fazer outro fol tranquilamente.

A partir desse momento, o Grêmio passou a tocar a bola e apenas administrar a vitória. Felipão até apostou na entrada de Matheus Biteco no lugar de Dudu para reforçar a marcação. Nem era preciso, pois o ataque do Botafogo seguiu inoperante até o fim.