'É a lesão mais grave da carreira do Ronaldinho', diz médico

Após detectar lesão no músculo adutor da coxa esquerda do camisa 10 do Atlético-MG, Ronaldinho, o médico do clube, Rodrigo Lasmar, lamentou o fato. Ele reconheceu a dificuldade do tratamento, que requer dedicação do jogador, além de dois meses e meio a três meses e meio de recuperação. O médico assegurou que esta é a lesão mais grave da carreira do meia.

“Ele não teve nenhuma queixa prévia de dor neste local, ele nunca se queixou, normalmente são traumas, são coisas de jogo. Essa é lesão mais grave de toda a sua carreira”, disse.

“Ele teve uma, é interessante, muito parecida quando estava no Barcelona, na coxa direita. Um pouco menos, mas no mesmo local, característica parecida. Agora é uma lesão similar na coxa esquerda. Mas é um histórico de lesão muito bom, não tem lesões repetitivas. Nós confiamos e, tudo correndo bem, a expectativa é que dê certo. Não posso garantir, o tempo é curto, mas vamos fazer tudo que estiver a nossa alcance.

Qual o nível da lesão de Ronaldinho?

Lesão muscular, vocês estão acostumados a ouvir grau 1, 2 ou 3. É uma tentativa de explicar se é leve, moderada ou grave. Mas é difícil colocar uma lesão nesses critérios, existem outros critérios. Essa lesão é grau 3, porque é uma ruptura do músculo.

Como ele está?

Eu acho que a situação do Ronaldinho me surpreende positivamente pela resposta do jogador no primeiro momento. Nós conversamos ontem à noite e ele ficou chateado com a informação de que ele tinha uma lesão grave. Ma hoje pela manhã já estava com pensamento positivo e confiança muito grande. Ele transparece segurança de que estará dentro do Mundial. Como médico, tenho expectativa positiva  mas temos que ser realistas, não podemos criar falsa esperança. O tempo é curto. Temos que recuperar ele até uma data recuperada. Antes do dia 18 tem que ter condição física para jogar. é um trabalho conjunto com avaliação semanal.

Acredita que ele jogará o Mundial?

Estamos acreditando na possibilidade porque temos o material humano muito bom, acreditamos nos fisioterapeutas, fisiologistas e uma estrutura muito boa, tudo que temos está aqui. Se precisar trazer um equipamento no Japão, o presidente vai lá e traz.

A culpa é do calendário?

O calendário é apertado, todos nós sabemos que o Brasileiro é disputado com outras competições, aí joga quarta e domingo, quando não é mais do que isso. Mas no caso do Ronaldinho, o calendário não é culpado. Ele não jogou uma sequência grande de quarta a domingo, tivemos cuidado de não forçar a carga de jogos para ele. No primeiro momento, o raciocínio que temos é que graças à tecnologia, conseguimos levar o Ronaldo muito bem sem lesão. Mas isso acontece, lesões vão acontecer e é algo do esporte.

Como será o tratamento?

Tivemos uma reunião com o presidente, Maluf, Assis, Ronaldo, Carlinhos Neves e Cuca. Estratégias de tratamento adequado com todas as condições, essa é a operação de guerra que o presidente falou. É um tratamento que mostra um resultado da eficiência do tratamento. Não queremos divulgar, porque só queremos tratar e recuperar o atleta.