Prefeitura interdita Engenhão por problemas na cobertura

Estádio ficará fechado por tempo indeterminado

A Prefeitura do Rio confirmou nesta terça-feira (26) a interdição do Estádio Olímpico João Havelange, o Engenhão, por conta de problemas na cobertura do estádio. A decisão do prefeito Eduardo Paes foi comunicada aos presidentes dos clubes que disputam o Campeonato Carioca em reunião no início da noite desta terça-feira (26). Ainda não há uma definição sobre onde serão disputados os jogos restantes no campeonato.

Em entrevista coletiva, o prefeito Eduardo Paes afirmou que o Engenhão ficará fechado por tempo indeterminado. Segundo ele, três especialistas foram consultados para comprovar os danos estruturais na cobertura do estádio, inclusive o próprio projetista. Embora ainda não haja um diagnóstico definitivo, Paes afirma que o problema deve ser na execução da obra:

"O estádio vai ficar fechado por tempo indeterminado. Se me apresentarem uma solução que vai levar um mês, ele ficará um mês fechado. Se durar um ano, vai ficar um ano fechado. Só vou desinterditar o Engenhão quando surgir uma solução definitiva para o problema. Não podemos brincar com um negócio desses", afirma.

O presidente do Botafogo, Maurício Assumpção, negou que haja qualquer responsabilidade do clube - que administra o estádio desde sua inauguração, em 2007 - no problema da cobertura:

"Fui comunicado sobre esse caso apenas às 15h30m da tarde desta terça. É um problema estrutural, não de manutenção", defendeu-se.

Paes afirmou ainda que, dependendo da origem do problema, pode ser que a Prefeitura arque com as obras para que o Engenhão volte a funcionar e jogou a responsabilidade para o ex-prefeito Cesar Maia, mandatário da cidade na época da construção:

"A empreiteira Delta ganhou a licitação do Engenhão. Pelo que me consta, ela abandonou a obra. Meu antecessor chamou então a Odenbrech/OAS. Contratualmente, pelo que me foi informado, as empresas colocaram como pré-condição para assumir a não responsabilidade pelo projeto. Qualquer problema seria de responsabilidade do Município. Logo, ser for um problema de execução, é de responsabilidade de quem fez. Se for de projeto, é do Município", concluiu.

Mudança de discurso

Há exatos três anos, o prefeito Eduardo Paes, após uma reunião com representantes do Botafogo, chegou a afirmar que o Engenhão não tinha qualquer problema estrutural e que todas as questões pendentes seriam resolvidas:

"Nenhum dos problemas do Engenhão é de ordem estrutural. Não há risco para os torcedores, que são a nossa maior preocupação. Os problemas que existem serão resolvidos na velocidade certa. Há uma lista deles pronta. Esse foi o entendimento que tivemos nesta reunião. As empreiteiras têm mostrado boa vontade, até porque o Engenhão é uma grande vitrine", disse na ocasião.

Campeonato ainda sem solução

O presidente da Federação de Futebol do Rio de Janeiro (Ferj) foi surpreendido com a interdição do estádio, o principal do estado, com o fechamento do Maracanã para as obras da Copa do Mundo. Ele afirma que há várias soluções possíveis para o restante do Campeonato Carioca, mas nenhuma decisão foi tomada até o momento:

"Sobre as próximas rodadas, vou me reunir com os quatro presidentes dos grandes clubes na sede da Ferj para traçar um plano de solução. Vamos procurar o melhor caminho. Existem várias possibilidades", posicionou-se.